As Crônicas de Kat - Epílogo da Primeira Fase

by - 21:00

“- Pensa que os anjos são insensíveis? – Perguntou o vampiro.
O rapaz pensou um pouco.
- Sim. – Respondeu.
- Mas os anjos não são capazes de amar? – Perguntou o vampiro – Os anjos não fitam a face de Deus com absoluto amor?
O rapaz pensou um pouco.
- Amor ou adoração. – Disse.
- Qual a diferença? – Perguntou o vampiro, pensativo. – Qual a diferença?
Era óbvio que não se dirigia ao rapaz. Perguntava a si próprio.
- Os anjos sentem amor, e orgulho... O orgulho da queda... e ódio. As fortes e poderosas emoções das pessoas insensíveis para as quais emoção e vontade são uma única coisa.”
Anne Rice, traduzida por Clarisse Lispector: Entrevista com o Vampiro.

For whom the hell tolls

Londres, Inglaterra
14 de janeiro de 2013
Diário de Kat
Foi o suspiro de Ellie que me tirou do meu estado sonolento.
Poderia ter sido qualquer coisa. Os solavancos naturais do voo, a voz da aeromoça no sistema de som, o ronco do passageiro dorminhoco à minha frente, tudo isso poderia ter atrapalhado meu sono. Porém, foi o suspiro, o som suave que escapou dos perfeitos lábios cor-de-rosa entreabertos que me despertou. Ao perceber que eu acordei, Ellie sorriu.
- Só mais duas horas. – Disse.
Ela tentava soar animada, mas eu sabia que estava detestando aquilo. Odiava estar em uma capsula, tendo seu destino controlado por um piloto. Voar para ela só se fosse na liberdade que seu corpo de morcego lhe dava. Balancei a cabeça e me sentei ereta tomando todo tempo que podia nesses movimentos. Evitava olhar para Ellie quase que inconscientemente. Sentia-me desconfortável em ficar ali com ela, lado a lado, na mesma quietude que partilhamos milhares de vezes nos últimos 148 anos. Antes que eu pudesse me perguntar novamente o que havia de errado comigo, outro movimento de Ellie atraiu minha atenção completamente: a forma inconsciente como ela descansou a mão sobre meu joelho, mesmo estando olhando para o outro lado, como se necessitasse daquele contato amistoso do qual não precisava desde que se tornara vampira.
“Ellie será seu relógio em uma contagem regressiva vertiginosa. Quando ela estiver totalmente dominada por seus sentimentos, quando as sensações que regem os mortais tomarem conta de sua preciosa arma, quando lágrimas de gelo forem vertidas de seus adorados olhos, você saberá que é a hora de se revoltar. E se então não existir em seu clã 13 vampiras dispostas a lutas e sacrifícios, será tarde demais para qualquer plano arquitetado por você ou por qualquer outra pessoa.”
Ellie voltou a olhar para mim e a doçura em seu olhar fez meu estomago revirar. Notando minha expressão, seu olhar se tornou frio e eu precisei prender um suspiro aliviado.
- Eu sei exatamente o que você está pensando – Ela disse, a voz fria, mas cheia de desprezo – e detesto... Sim, eu detesto Katerina! Que você realmente esteja olhando para mim como um relógio. Eu não estou no controle disso, mas tenho tentado ao máximo não sentir. É mais difícil do que parece.
- Ellie - Comecei. Quando sua mão deixou meu joelho a agarrei em pleno ar. – Você sempre vai ser minha melhor criação. Vejo você como um relógio tanto quanto vejo Sophie como uma máquina de torturar demônios. Eu adoro você! Mas a verdade é que você efetivamente é um relógio, que anuncia frequentemente a minha inabilidade em reunir 13 vampiras em um clã.
Seu olhar não se anuviou. Eu quase saí pulando de satisfação pelo avião.
- Você é bastante seletiva. Mais do que deveria às vezes.
- Não posso colocar qualquer uma em uma missão desse porte.
- Eu sei, eu sei. Só estou dizendo que com o tempo curto talvez você devesse transformar alguém ainda mais rápido do que transformou Tatiana. Ninguém disse que seriam as primeiras 13 vampiras que você transformasse. Tentativa e erro é totalmente possível. Quer dizer, depois da transformação ainda são necessários meses de treinamento. Se não der certo, é só matar a pobre vampira e começar outra vez.
Sorri com a frieza do que ela disse, não pude evitar. O tratamento de seres vivos como peças de xadrez era tão Ellie. A minha Ellie, fria e desalmada.
- Não acredito que estou ouvindo isso de você. Justo você, que sempre foi totalmente contra a entrada de qualquer vampira em nosso pequeno grupo.
- Eu ainda não concordaria com as escolhas que você fez se você as fizesse hoje, mas talvez fosse só uma aversão natural a humanos. Assim que elas se tornavam vampiras eu as aceitava.
- Aceitava até demais. – Resmunguei - Se tornava líder delas.
Ela sorriu.
- Não foi bem assim com todas. Teve... Sophie! Sophie é só minha amiga.
- Mas ela escuta você, mais do que a mim.
Ellie deu de ombros.
- Eu sempre fui mais sensata.
Eu ia discutir, mas ao perceber que aquela sensação de incomodo parara, preferi ficar em silêncio. Sorri para Ellie. Ela sorriu de volta, e, voltando a olhar para o corredor deu fim à conversa. Uma hora e quarenta e cinco minutos depois, chegamos a Londres.
As meninas nos esperavam em uma das casas que nós mantemos, um apartamento com cinco quartos no centro de Londres com uma vista maravilhosa dos pontos turísticos principais da cidade. Era a primeira vez que passávamos tantos meses separadas umas das outras e por isso tínhamos longas conversas por telefone ou por sms quase todos os dias. Havíamos nos dividido em duplas no meu aniversário, cada uma indo para um canto do mundo, procurando por vampiras em potencial. Eu e Ellie vínhamos agora da América do Sul para nos reunir em Londres e comemorar o aniversário de Ellie e um novo ano.
Todas as buscas haviam sido malsucedidas. Ninguém parecia tão forte quanto o resto de nós, nenhuma emanava a presença que nós temos. Eu e Ellie ainda não havíamos passado por um país da América do Sul, o maior de todos eles, mas faríamos isso assim que as celebrações acabassem.
Quando chegamos em nossa casa todas as outras dez e Pierre – que ficava com cada duas de nós por algumas semanas, em rodízio - já estavam lá, contando animadas histórias de suas viagens. Nos unimos a elas e dividimos também nossas histórias, entrando noite a dentro em nossas conversas animadas. Quando eu e Ellie entramos em nosso quarto, eu já estava pronta para passar outros meses longe de nossas irmãs.
- Por quem o Inferno se dobra... – Ellie disse, distraída, deitada na cama.
Eu estava trocando de roupa.
- O que?
- É uma frase, que eu ouvi há muito tempo.
- Não seria “por quem os sinos se dobram”?
Ellie revirou os olhos.
- Não, Katerina. É uma caricatura dessa frase, apesar de ter sido dita anos antes. Coincidência cruel, talvez. Sabe quem me disse isso? Deyah. Ela me disse que era esse tipo de pessoa que vampiras se tornariam quando completássemos a missão dela, alguém diante quem e por quem o Inferno se dobra. Noites como essa, me fazem acreditar nessa afirmativa. - Ela se sentou e me encarou. - Por isso, mesmo que pareça difícil e mesmo que o tempo esteja correndo, não podemos desistir. Não podemos desistir de forma alguma.
- Eu sei, Ellie. Não iremos. Continuaremos essa busca. Tanto elas, quanto nós. Seguiremos, encontrando a vampira ou não, até algum ponto de convergência.
Ela concordou com a cabeça e se deitou outra vez.

- E primeiro, nós vamos para o Brasil.

You May Also Like

0 comentários