Conheci uma amiga virtual. E ela não era uma pedófila.

by - 23:47

Esse post - de acordo com meus planos originais - deveria ter saído na segunda. O grande problema foi que eu não tive tempo, ou forças, durante esta semana. A escola tem me exaurido, e mesmo na quarta, quando eu não tive aula, eu tinha outras coisas da escola para fazer. E ainda, sempre que eu arranjava tempo para escrever, eu me pegava exausta e sem a mínima força de vontade para escrever nada. Maaaasssssss hoje é sábado (nos lugares com horário de verão já é domingo, mas aqui na Bahia não tem), e eu não quis fazer nada de escola por enquanto, então posso atualizar o blog que eu já deveria ter atualizado há décadas (acabei de perceber que faz 19 dias que eu não posto nada, e isso me deixou triste) (E eu também fui dormir com esse post meio escrito, juraaando que terminaria ele de manhã e postaria a tarde.. aí eu acordei 13h28. Nem fazia ideia de que tava tão cansada.).
Beeeeeem, tudo começou há algumas semanas quando eu tava de papo com a Amanda - amiga virtual que eu conheci há mais de um ano e que pirei quando descobri que morava na cidade em que eu cresci e que todas as reviravoltas da minha vida nos últimos seis meses me trouxeram de volta para apenas 150km de distância - e comentei que faltava pouco tempo para o aniversário de 15 anos dela. Ela, então, me contou que haveria uma festa de comemoração a isso, alguns dias depois, e pediu para que eu fosse. Como eu vinha enrolando ela há meses em relação a ir até Jequié (cidade de 136 mil habitantes, do interior da Bahia aka cidade em que eu cresci) e sempre estou louca por um motivo de sair de casa, eu concordei e comecei a planejara viagem.
Eu tenho várias amigas virtuais que moram na Bahia, na verdade, e todas elas eu conheci depois que saí da Bahia, ironicamente. Tem gente em Salvador, gente no extremo norte, gente no extremo sul, todas pessoas que eu adoro e que quero na minha vida por muito tempo, mas que talvez me matem porque eu voltei pra Bahia há seis meses, estou quase indo embora de novo (diga "amém" se você quer que eu passe no vestibular, se não vai se...) e ainda não fui vê-las. Não foi por falta de vontade; o que falta mesmo é tempo, dinheiro e carona. Felizmente, em relação a festa da Amanda isso foi resolvido: eu me organizei por semanas para conseguir tempo, consegui a carona do meu pai e ele ainda me deu dinheiro para comprar o presente dela (mais sobre isso depois). Entããão, no dia 17 de outubro, às 17h20 eu estava saindo da cidade em que eu nasci em direção à cidade onde eu cresci.
Eu confio muito nas minhas amigas virtuais (eu to usando muito o feminino porque eu realmente não tenho nenhum amigO virtual) e sei que muita gente que vai ler esse post também confiam cegamente nos seus, mas vocês precisam lembrar que nenhuma precaução é demais. É normal que a gente ouça de casos de meninas que saíram para conhecer amigos ou namorados virtuais e desapareceram. Além disso, eu já vi episódios de Catfish o suficiente para saber o quão horrível é quanto alguém com quem você se sente ligado te machuca - aliás, eu to superatrasada na série (saudades ter MTV em casa), vou ver se consigo tempo pra ver uns episódios amanhã. É importante lembrar sempre que as pessoas mostram só o que querem na internet. Estou dizendo isso para afirmar que eu NUNCA iria me encontrar com uma amiga virtual em um lugar que não fosse público, e nem iria sozinha ao encontro. Mas, como eu já disse, eu confio muito em minhas amigas, logo, elas saberiam das minhas condições e poderiam impor suas próprias condições porque confiança é isso, ser plenamente honesta com alguém. Logo, se alguém na internet quiser marcar um encontro sozinho com você, em um lugar que não seja publico e caso você diga que não, a pessoa diga algo como "achei que você confiasse em mim", não vá. Amigos de verdade entenderiam.
Foi basicamente assim com a Amanda. Ela me convidou para ir à festa dela (lugar publico), sabia que minha irmã iria (com companhia) e que meu pai me deixaria lá e me buscaria. Então, depois de comprar o presente dela - minha vontade era comprar o livro Teardrop da Lauren Kate (Já contei que foi ela que me fez ler Fallen? Pois é) que eu tinha acabado de ler e achava que ela ia amar e eu tinha levado dinheiro para isso, mas chegando lá, meu pai perguntou o que eu iria comprar e resolveu pagar por mim. No entanto, eu não achei o livro em lugar nenhum, então eu tive que comprar um cartão presente da Nobel pra ela, por medo de comprar um livro que ela já tinha (aprendam comigo como presentear alguém que gosta de ler) - escrever uma cartinha para ela - que ficou meio lixosa, mesmo ela dizendo que amou - e me arrumar para a festa, com um vestido que eu ganhara no dia anterior - pois é, até a véspera da festa eu não tinha roupa para usar, eu tinha planejado usar um vestido que eu já tinha usado em duas outras festas este ano - eu finalmente fui para o evento do ano com a corda toda.
Fomos as primeiras a chegar. Meu pai tinha uma peça para ir que começava no mesmo horário que a festa então teve que deixar a gente na festa uma meia hora antes das 20h o que significa que eu cheguei pelo menos duas horas antes da aniversariante. Sério, quando a gente chegou ainda estavam terminando de arrumar a festa, que ainda demorou um pouco pra começar, o que me deu tempo o suficiente para ficar cheia de paranoias do tipo "e se eu tiver na festa errada?" (o que não fazia sentido já que eu já havia visto a mãe da Amanda que por sinal é a cara dela) e "quando ela chegar o que eu faço?" e até "meu Deus, ela vai me achar insuportável ao vivo, vou decepcionar a garota, acho que vou me esconder em um buraco".
Eu e ela <3 Essa foi a única foto que ficou boa porque
iluminação noturna e celular nunca dá certo

Bem, de qualquer forma, nos sentamos e ficamos esperando que a aniversariante chegasse o que aconteceu umas 21h. Fizeram ela ficar do lado de fora por um tempo, mas a movimentação me fez perceber que ela tinha chegado e como eu queria muito vê-la antes que ela entrasse e ficasse muito ocupada, eu saí e esperei que ela tirasse fotos. Então eu basicamente fiquei parada lá olhando os convidados conversarem e ela tirar as fotos. Teve uma hora que ela apertou os olhos pra ver quem era, mas não conseguiu, aí as fotos terminaram e eu me aproximei, e ela percebeu que era eu aí pediu licença saiu correndo e me abraçou - sabe aqueles abraços que você abraça forte e a outra pessoa abraça forte e você não sabe quem tá abraçando mais forte, só que você não quer soltar nunca mais? Então, o abraço foi perfeito assim. Depois ela foi falar com a minha irmã que ficou superfeliz pela Amanda saber o nome dela, e saiu dizendo pras pessoas "Sabia que elas não são daqui? Elas vieram de longe pra minha festa". Depois ela falou que achava que eu fosse mais alta (todo mundo acha, não tenho certeza de se isso é bom), mas ela tava de salto então talvez eu fosse mais alta de outro ponto de vista, depois conversamos sobre eu não lembro o quê e então ela foi atender os outros convidados. Eu fiquei encantada porque ela é ainda mais linda e mais fofa ao vivo.
Foi uma festa incrível e tocou muita música boa. Me lembrou a minha festa de 15 anos, na verdade. Uma hora a Mandy - eu sempre chamo ela assim - chamou a mim e à minha irmã (que estávamos sozinhas em uma mesa) para nos sentarmos na mesa onde estavam os amigos dela e isso foi tão fofinho. Basicamente passei a maior parte da noite perturbando ela em cada momento que ela se livrava de outro dos convidados. Eu podia até dizer o quanto a festa foi boa, mas pra provar é só dizer uma coisa: eu cheguei em casa à 1 da manhã. Euzinha, que nunca saio de casa. Pois é, partying hard, amigos.

G.

P.S.: Quando eu for em São Paulo (ano que vem, se Deus quiser) eu vou organizar um Grande Encontro de Amigas da Giulia porque eu tenho tanta gente pra conhecer que vou ter que passar mais de um mês lá (ou talvez eu acabe indo morar lá).
P.P.S.: A parte do Grande Encontro é brincadeira. Eu não me acho tanto assim.

You May Also Like

2 comentários

  1. Oi Giu!
    *nossa faz tempo que não escrevo um comentário, o que lembra que também não posto no blog faz tempo!*
    Bem... Que lindo esse encontro! Sempre tive vontade de conhecer pessoas que conheço na internet, mas sou muito tímida e já saí correndo de uma sessão de autógrafo de uma escritora amiga só por causa da timidez o.o
    Sei lá, não sei agir na frente das pessoas como na internet...
    Mas que bom que deu tudo certo!

    PS: Gostei dessa ideia de um super encontro aqui em são paulo, super apoio! Mas não posso prometer que vou, talvez eu fique com tanta vergonha que saia correndo... ou eu não consiga falar o seu nome... aí eu fugiria de vergonha... acontece.

    beijos, tatii :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooi tatii,
      Eu tava sentindo sua falta mesmo. E eeei, não posso falar pelas outras pessoas, mas de mim você não precisa ter vergonha. Eu ando menos tímida, mas eu sou muito paranoica e insegura e tenho uma tendencia horrível a falar e fazer besteira. É mais fácil ficar com vergonha de andar comigo do que passar vergonha na minha frente, hehehe.
      Mas falando sério, eu entendo sua vergonha. Sei lá, a internet da uma proteção que uma conversa cara a cara destrói. Só lembre que você realmente não tem motivo pra ter vergonha na minha frente, ok?
      Beeijo.

      Excluir