A verdade sobre minha vida amorosa.

by - 06:05

Bom dia, mundo, universo, pessoas, animais, plantas!!! Sim, eu estou feliz assim às 6 da manhã de uma segunda-feira. QUEM SABE QUE DIA É HOJE??????? Eu acho que nem quem sabe se lembra já que ano passado eu não falei sobre isso aqui no blog, então eu vou dizer: hoje é o dia em que minha alma gêmea nasceu. E não, isso não será seguido de uma piada. Esse parágrafo é realmente para lembrar que 28 anos atrás esse ser maravilhoso aqui embaixo chegou para abençoar nosso mundo:

NÃO MORRAM ANTES DE COMENTAR O POST
Vocês podem o conhecer como o Peter/Pedro dos filmes de As Crônicas de Nárnia ou como o Liam da novíssima série do E!, The Royals, mas William Moseley tem sido meu celebrity crush mor desde que eu tinha 10 anos de idade. Quer dizer, eu tenho muitos celebrity crushs, mas ele é como se fosse o escolhido entre todos. Nós até temos um nome de ship (é Santmoseley, btw, porque meu primeiro nome é terrível para criar ships) e eu já escrevi não uma, mas duas fanfics com ele (alguém aqui já leu Songs ou NY Dream?). Agora eu meio que tenho que dividir ele com várias garotas desde que The Royals começou, mas nosso relacionamento é tão forte e verdadeiro que eu nem tenho ciúmes. Ok, eu tenho ciúmes. Mas eu fico lembrando a mim mesma de todas as coisas que eu tive durante esses 6 anos de crush por ele, e isso é algo que que o conheceu agora, infelizmente nunca terá. Eu estava aqui na época do cabelo bizarro, e quando ele foi atingindo por um raio na época das gravações de The Silent Mountain, gente, eu estava aqui desde antes dele começar a namorar a Kelsey Chow, o que já faz 3 anos. E se isso não fosse o suficiente, ele me enviou um tweet no meu aniversário ano passado, então CLARAMENTE nós vamos nos casar.

Eu sei que todos vocês estão me julgando pelo erro no primeiro tweet, MAS EU ESTAVA DESESPERADA E NERVOSA E ERA MEU ANIVERSÁRIO OKAY? Ele entendeu e isso é tudo que importa.

Indo ao motivo do post agora, já que hoje é aniversário do homem que mais me causa sentimentos desconexos, eu pensei: porque não falar sobre minha vida amorosa outra vez?? Não que eu tenha uma, mas eu sempre estou ouvindo minhas amigas falarem de seus namoros e de garotos e de crushs e eu sou sempre aquela pessoa que está falando sobre livros. Ou famílias reais. Ou MisterWives. Então, hoje eu quero falar sobre isso, para esclarecer umas coisinhas. Não que eu me importe de todo mundo ficar perguntando se eu já peguei alguém, se eu me importo de falar sobre sexo ou sobre minha sexualidade. Podem perguntar! Eu adoro ver vocês confusos. Mas talvez vocês não gostem de ficarem confusos, então eu quero facilitar as coisas. DE NADA!
Eu sinto que todo mundo sabe, mas sempre existe um ser aleatório que fica chocado quando ouve, então aqui está: eu sou BV. Mas eu estou velha demais para usar esse termo (quem diz "bv" na faculdade, pelo amor de Deus?), então eu prefiro dizer para as pessoas que eu "nunca estive em um relacionamento". Isso dá classe a situação. E mesmo eu parecendo tão emocionalmente autossuficiente (é coisa do signo, aquarianos não precisam desses dramas), meus sentimentos podem ser bem bagunçados. Se amar alguém com amor romântico envolve todos os dramas que minhas amigas passaram, eu posso dizer que nunca amei ninguém desse jeito. O que não quer dizer que eu nunca me apaixonei por alguém. Ou desenvolvi crushs. Gaaaaaaaaaaaaah, crushs.
Crush é uma palavra da língua inglesa que eu e o resto da internet já nos acostumamos a usar o tempo todo que poderia ser traduzida para o português como uma quedinha, mas eu prefiro traduzir como AQUELE SENTIMENTO MASSACRANTE QUE VOCÊ SENTE POR PESSOAS ALEATÓRIAS SEM RAZÃO APARENTE ALÉM DO FATO DE QUE SEU CORAÇÃO QUER TE BOICOTAR. Eu tenho certeza de que todos mundo aqui conhece esse sentimento. Eu desenvolvo crushs com uma rapidez absurda, por um número chocante de pessoas e não consigo superar eles de jeito nenhum! Eu sempre acho que superei e me engano completamente. No meio do ano passado, eu tive um momento em que me senti livre de todos os meus crushs, que achei que finalmente poderia ser uma jovem solteira saudável. Aí eu vi o garoto que eu tinha certeza que seria responsável pelo meu primeiro beijo quando tinha 14 anos e por um momento, eu esqueci meu nome. Estava no Instagram e vi uma selfie de um ex-crush e gritei. O lado bom é que eu não sou o tipo de pessoa que não consegue dormir pensando no crush (mas eu admito que tenho um caso sério de sorriso incontrolável toda vez que saio da presença de um crush), ou que fica sem fome porque está apaixonada ou que tem crises de ciúmes quando dito crush começa a namorar, mas como uma pessoa que sempre fala bosta, eu posso afirmar sem via de dúvidas que o momento da vida em que eu falo mais bostas, é quando eu estou falando com um crush.
A diferença - para mim - entre ter um crush por alguém e me apaixonar está no desenvolvimento de uma amizade. Porque um crush é um sentimento platônico e meio que irreal, geralmente quando você mal conhece a pessoa, mas quando você se apaixona seu cérebro cria a necessidade de que aquele sentimento platônico se torne real, o que comigo só acontece depois que a pessoa faz tão parte da minha vida que chega a doer. E isso é tão exaustivo. É por isso que eu gosto tanto do termo Infatuation. Soa tão cansativo quanto todos esses sentimentos que eu tenho dentro de mim, por todas essas pessoas. Meeeeeh. Não que eu esteja apaixonada no momento. Eu nem consigo me lembrar a última vez que isso aconteceu. Isso é ótimo. Sério. Só seria melhor se eu não desenvolvesse crushs até por garotos que vejo em ônibus e atendentes de bancos.

Exatamente.
Tudo isso dito eu gostaria de dizer que não faço a mínima ideia de porque minhas amigas continuam contando comigo para pedir conselhos amorosos. Ok, tá, meu "Quem sou eu" aqui do lado tem "conselheira amorosa" como habilidades, mas também tem "matadora profissional" e eu nunca cometi um assassinato (que se possa provar). Eu amo vocês e continuarei tentando ajudar, mas eu tenho certeza de que não sou a pessoa mais qualificada a fazer isso.
Finalizando, eu queria esclarecer dois mitos. As pessoas sempre me perguntam duas coisas: se eu já estive próxima a beijar alguém em algum momento: a resposta é sim, mas nunca por vontade própria. Crescendo você passa por vários amigos que tentam te empurrar a fazer algo que você nem tem vontade só porque todo mundo está fazendo. Eu nunca estou em festas, geralmente sou a primeira a sair dos ambientes educacionais, nem sou muito de sair com amigos, e nunca, em hipóteses alguma, me declararia primeiro para ninguém (é uma regra geral pela qual eu vivo), logo as duas únicas vezes em que eu estive próxima a dar meu primeiro beijo foi por pressão de "amigas" entre os meus 10 e 12 anos (yep, nova assim, desvantagens de ser adiantada na escola). Não estou dizendo que sou frustrada por não ser uma garota que namora muito, ou que quero que vocês se sintam mal por mim. Estou dizendo porque todo mundo precisa parar com esse tipo de merda: todos nós temos nosso tempo certo para fazer cada coisa e pressionar uma garota de 11 anos a beijar alguém que ela nem gosta, é errado, e não interessa o que vocês digam: eu acredito que isso faz parte da cultura do estupro. A outra pergunta é se eu estou me guardando para a pessoa certa: nesse caso a resposta é um não. Para estar esperando a pessoa certa, eu precisaria acreditar que existe uma "pessoa certa" para mim. Eu acredito que relacionamentos são formados por duas pessoas dispostas a serem certas uma para a outra, ou seja, na prática. E eu nem posso dizer que estou me guardando para alguém especial, porque sei que beijaria literalmente qualquer um dos desconhecidos pelos quais eu já desenvolvi um crush. E isso é tipo, muita gente.

G.

You May Also Like

4 comentários

  1. Heeey, Giulia!
    Cara, VOCÊ SOU EU (ou quase)! Compreende perfeitamente isso de desenvolver crushs muito rápido, mas diferente de você eu supero rápido (ou quase isso). Normalmente, eu desenvolvo alguns crushs, porém foco apenas em um e por isso acabo esquecendo os outros. Hoje, eu estou confusa sobre o que eu sinto em relação a uma pessoa e eu não sei o que fazer, vai além de um crush.
    Sobre ser bv, eu também sou e eu não faço disso um problema, acho que faz parte da vida mesmo.
    Beijo! AMEI o post ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dany,
      Como sempre é bom saber que existe gente que passa pelo que eu passo. (Inclusive me deu a ideia de mudar o nome do marcador desse tipo de postagem, obrigada). Mas nesse caso também é ruim, porque desenvolver crushs é completamente horrível. Mas você supera rápido, então está melhor que eu.
      G.

      Excluir
  2. oi g!
    só queria deixar avisado que na próxima vida vou fazer de tudo para a gente morar perto e ser, tipo, bff hahaha no mínimo, torcer para isso acontecer nessa vida ainda, porque a cada post eu percebo o quando nós somos parecidas e tem coisas que você escreve aqui e penso "nossa, achava que eu era a única pessoa que pensava/fazia isso" e nem preciso dizer que adoro quando você fala sobre a sua vida tão abertamente e não tem vergonha sobre o que as pessoas vão falar ou pensar de você - porque eu tenho muito disso.

    enfim, amei esse post como sempre!
    beijos, tatii alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, tatii, que a gente precisa morar perto é uma verdade. E se fosse em New York melhor ainda.
      A parte engraçada é que eu escrevo achando que só eu passo por essas coisas e depois eu acabo achando leitores que passam também, e isso é tão bom. *sussurra* Não estamos sozinhas no mundo. Obrigada pelo apoio e pelo carinho, é por isso que eu continuo falando tanto HAUAHAUHAU
      Beijos<3

      Excluir