Satélites

by - 17:00

OLÁ, PESSOAS. Eu meio que flopei postando menos do que eu queria postar esta semana, mas hoje eu vim com post importantíssimo: a primeira participação especial do Mês Literário em 2016, da melhor pessoa para dividir momentos de fangirl e escrita, tatii alves. Não vou me prolongar muito antes de deixar vocês com o conto de hoje, mas eu não posso deixar de dizer o quanto eu estou feliz por poder trazer um texto da tatii para vocês e mais importante, ESTE CONTO. Caso vocês queiram continuar acompanhando ela, como eu sei que vão, eu vou lembrar que ela é dona do com a sua licença poética e uma das integrantes da Tertúlia. Agora vamos deixar ela introduzir o próprio conto:

Satélite é algo que pode ser natural ou artificial. A Lua, por exemplo, é um satélite natural da Terra. Satélites giram em torno da orbita de algo. Eu tenho a teoria de que algumas pessoas são satélites, querendo ou não, nós sempre vamos viver em torno de alguém ou algo. Algo que nos fascina tanto que somos sempre atraídos a ela; algo que fazemos força para ir embora, mas sempre estamos voltando; algo que não temos coragem que ir embora de tão belo que é.
Julho é o segundo mês da escrita - depois de novembro - e eu estou escrevendo o meu segundo romance, Kaia & Valentina. Eu decidi que o Quebrei a máquina de escrever seria o lugar perfeito para meu dar o primeiro sneak peak ever da minha história que eu aprendi a amar tanto. Então, com vocês: Satélites, um conto.


Ela era linda. Seu cabelo acobreado se movimentava ao redor do seu rosto, dançando junto com o vento – talvez ela não se entendesse muito bem como ele, pois sempre estava amarrando-o ou fazendo tranças. Eu era apaixonada pelo seu cabelo. E seus olhos. E o formato redondo de seu rosto. Ela era a pessoa mais linda que eu já havia visto em toda a minha vida.
Já fazia um ano que eu prestava atenção nela; não que eu fosse uma stalker ou coisa assim, mas quando o destino te ajuda a observar alguém: você observa. Todos os dias, ela entrava na livraria e passava as tardes na sessão de livros contemporâneos, ela sempre ia sozinha e nunca parava um minuto para conversar com alguém no celular.
Todos os dias eu fazia a mesma promessa para a minha imagem no espelho:
- Hoje nós vamos falar com ela.
Todos os dias, eu respirava fundo quando ela entrava. Todos os dias, eu falhava e me escondia na sessão de clássicos. O meu coração palpitava como se quisesse correr para fora do meu corpo e para o mais longe possível daquela situação.
*
A primeira vez em que eu me apaixonei por alguém, eu tinha doze anos. Você pode achar que doze anos é cedo demais para saber o que é se apaixonar, mas eu sabia muito bem o que eu sentia. Seu nome era Molly e ela tinha o cabelo mais louro que eu havia visto que contratavam com seus olhos negros e grandes.
Eu não sabia se aquilo que eu sentia era correto, mas eu sabia o que eu sentia por Molly. Eu dava metade do meu sanduiche para ela no intervalo, eu esperava ela todos os dias na porta de sua sala, eu a acompanhava até a sua casa e fazíamos festas do pijama na casa da outra. Eu estava caidinha por Molly.
Até Molly ser a primeira menina do sétimo ano a ter um namorado.
*
Meu coração voltou a palpitar quando eu senti o seu perfume antes mesmo dela aparecer. O claro sinal que tudo aquilo já havia passado de todos os limites possível. Era o cheiro amadeirado com um toque suave.
Assim que o sino da porta da livraria anunciou a sua chegada, o meu corpo inteiro tremeu e as minhas mãos começaram a suar. Aqueles cinco segundos passaram na minha mente como cinco horas lentamente: ela entra e me vê, seus lábios se abrem em um sorriso gentil e ela segue lindamente para a sessão de contemporâneos. E o seu aroma permanece eternamente no meu coração.
Eu não me importava de não ter trocado nenhuma palavra com ela até o dia de hoje, eu só queria ser capaz de vê-la todos os dias. Eu queria ser capaz de imaginar um diálogo diferente entre nós todos os dias, onde eu faria alguma piada boa e ela iria gargalhar com vontade. Eu queria ser capaz de observar todos os livros que ela estiver lendo e procurar tudo sobre ele para eu poder montar os nossos diálogos na minha mente durante a noite.
Naquele dia, ela estava usando um macacão jeans com uma camiseta branca com mangas pretas e seu cabelo está preso com uma bandana. “Drive”, de Glades, começou a tocar suavemente nas caixas de sons espalhadas pela livraria e já era tarde demais quando eu percebi que ela estava vindo na minha direção.
Aquela era a hora.
- Ótima escolha – foi a primeira coisa que passou pela minha mente quando eu vi que ela havia se aventurado na sessão de clássicos.
- Obrigada – ela sorriu e o som da sua vez fez meus ouvidos se arrepiarem. Era exatamente como eu havia imaginado. Talvez eu estivesse encarando demais, pois ela corou e desviou o olhar mesmo sem tirar o sorriso. – Eu venho aqui quase todos os dias e como é a primeira vez que sou atendida por você?
Meu coração palpitou. Minhas mãos focadas em embrulhar tudo o mais rápido possível, mas minha mente estava gritando com todas as possibilidades que os meus diálogos mentais me proporcionavam naquele momento.
- Hoje é o meu primeiro dia trabalhando aqui – volto meus olhos para ela, sorrindo. – Eu ficava lá no mezanino com as obras de segunda mão e clássicos até que o dono me deu esse emprego para que talvez eu começasse a comprar os livros ao invés de apenas passar os dias lendo eles de graça na loja.
Ela riu e a sua risada me dava vontade de abraçá-la ali mesmo – ela jogava sua cabeça para trás levemente como se estivesse aproveitando o máximo aquela risada.
- E você vai usar o seu salário para comprar livros? – Ela perguntou ao mesmo tempo em que me entregou o dinheiro dos livros.
- Bom - eu entrego seu troco e a sacola, - eu gosto de pensar em que agora eu estou sendo paga para ler os livros.
Aquele momento se classificava como um dos melhores momentos da minha vida, eu pensava. Eu sentia o meu corpo todo entorpecido de ansiedade, excitação e medo ao mesmo tempo. Eu precisava saber mais sobre ela. Eu precisava conhecê-la.
- Eu sou Kaia.
Ela olha nos meus olhos e eles formam um sorriso junto com os seus lábios, como se ela tivesse acabado de descobrir um baú de tesouro.
- Valentina.

You May Also Like

7 comentários

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA MEEEUUU DEEEUUSSS EU TÔ AKDHAKAGDGHAHJ!!!!
    você tinha toda razão, Giu é maravilhoso. <3
    eu adorei. quero elas na minha vida, por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU FALEEEEI DSJNDSJNDSN AINDA NÃO SUPEREI, NÃO VOU SUPERAR NUNCA.
      Precisamos desse livro tipo imediatamente.

      Excluir
    2. AAAAAAAAAA VAMOS FINGIR QUE NÃO TEM PRESSÃO NENHUMA AQUI NESSES COMENTÁRIOS

      Excluir
    3. PRESSÃO??? ONDE??? NÃO TO VENDO PRESSÃO ALGUMA *emoji de lua*

      Excluir
  2. MEU DEUS DE CÉU PORQUE EU DEMOREI TANTO PARA LER ESSA MARAVILHA???? TATII É INCRÍVELMENTE MARAVILHOSA.
    MELHOR LUGAR TER APARECIDO AQUI <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. alkdjkljflkjdal obrigada dani!

      Excluir
    2. Eu não poderia concordar mais

      Excluir