M A G I A

by - 23:29

- Bruxa! - gritou, histérica, a condessa de Chamillart, agora em pânico. - Vamos queimá-la. Joguem-na na fogueira.
Com isso, alguns pareceram vir à frente, tanto por medo quanto por desejo de heroísmo, talvez para obter favores ou talvez mesmo por pura confusão. Os guardas, armados, no entanto, não se mexeram.
- Bruxa, vocês me chamam! - respondeu Deborah imediatamente. E, com um largo gesto, jogou o círio sobre o chão de pedras e lançou as mãos aos céus diante dos homens que a teriam agarrado, mas que não o fizeram. - Ouçam! Vou mostrar-lhes bruxarias que nunca mostrei antes! 
A Hora das Bruxas - Volume 1. Anne Rice. Rocco. 1994.
Quanto vocês me odeiam por ter sumido a semana toda? Bem, vocês definitivamente deveriam demonstrar esse ódio todo nos comentários, me faria entender como é se sentir abandonado por aqueles de quem você espera alguma coisa, ah, espera, EU JÁ ME SINTO ASSIM PORQUE EU NÃO RECEBO COMENTÁRIOS DOS MEUS LEITORES DESNATURADOS!  Ok, Giulia, respira. Desculpem pelo surto,  eu sei que às vezes nem é culpa de vocês, mas é que eu estou literalmente escrevendo tanto quanto o Nicholas Sparks pra conseguir manter o blog funcionando e terminar o livro até o final do ano (e sim, isso está afetando meu desenvolvimento na escola), e eu queria só uma opinião sobre isso, é pedir demais? 
Enfim, vamos ao post. Como vocês sabem, estamos em outubro, mês mais macabro e mágico do ano e como agora eu sou uma pessoa comprometida com os seres da noite (que?) este ano eu vou fazer um especial mais completo que os dois últimos (ano passado nem teve), com 5 partes, postadas todo sábado desse mês: Magia, Sangue, Morte, Inferno e Luz. O primeiro dessa semana é Magia:
- Eu sei... - Cassie se interrompeu. - Sei que podem acender fogo sem fósforo. E que não usam matricária só em saladas.
Faye olhou as unhas, parecendo inocente, e Laurel abriu um sorriso melancólico.
- Sei que podem fazer as coisas se mexerem quando não estão vivas.
Dessa vez foi Faye quem sorriu. Deborah e Suzan trocaram um olhar presunçoso, e Suzan murmurou:
- Ssssssss...
- Sei que todo mundo tem medo de vocês na escola, até os adultos. Eles têm medo de qualquer um que more na Crowhaven Road.
- Eles terão mais medo - Disse Doug Henderson.
- Sei que usam pedras para remover manchas...
- Cristais. - murmurou Diana.
- ... e que há algo mais do que folhas de chá em seu chá. E eu sei - Cassie engoliu em seco e continuou, devagar - que vocês podem empurrar uma pessoa sem tocar nela,  fazê-la cair.                                                                                                         A Iniciação. O Círculo Secreto - Livro 01. L. J. Smith. Galera Record. 2011 
Apesar de os meus seres místicos preferidos, e os que eu mais conheço serem os vampiros, se eu realmente pudesse escolher o que eu queria ser, eu escolheria ser uma bruxa. Porque bruxas são as criaturas mais infinitamente complexas e mais precisamente poderosas.
Existem várias definições de bruxa em diversos textos, mas do meu ponto de vista a única explicação que engloba todas as espécies de bruxaria existentes na história, mitologia, literatura, cinema, teatro e vida real é a definição que eu tenho quase certeza que é da Anne Rice, mas não consegui encontrar no livro: Criatura com o poder de dominar forças abstratas. Isso, é claro, inclui tudo que existe mas não pode ser tocado. Sentimentos, sensações e principalmente energia. E levando em consideração o principio de que tudo é energia... ...
Uma bruxa é geralmente retratada no imaginário popular como uma mulher velha, nariguda e encarquilhada, exímia e contumaz manipuladora de Magia Negra e dotada de uma gargalhada terrível.Wikipédia: Bruxas
No mundo real, a perseguição à bruxas começou a partir da admissão de que esses seres existiam. Vamos partir da premissa de que o ser humano tem essa mania de achar que o que acha agora é tudo. A frase "Agora eu já vi de tudo nessa vida" é usada com uma frequência tremenda. Mas a verdade é que 500 anos atrás, as pessoas pensavam que já tinham visto de tudo. A mesma coisa há 200 anos, quando muitas coisas já tinham sido descobertas, mas nem de perto tantas quanto hoje em dia. E daqui a 100 anos, as pessoas vão achar que já viram de tudo, tendo visto muito mais do que nós conhecemos hoje.
Rituais de bruxaria existiam desde épocas A.C. e são citados na Bíblia, inclusive. Mas um pouco antes da Caça às Bruxas começar, os intelectuais não queriam acreditar na existência desses seres que assombravam o imaginário popular (não acredito que eu realmente disse isso), porque achavam que sua sociedade já era avançada demais para acreditar em tais coisas de épocas passadas. Até que um belo dia um deles resolveu fazer isso: acreditar. No momento em que alguém influente resolveu acreditar em bruxas, o povo inteiro foi influenciado.
A Caça às Bruxas focava na opressão às mulheres (existiam homens acusados de bruxaria, mas normalmente eles se livravam das penas mais graves por considerar-se que eles foram influenciados pelas mulheres), consideradas seres misteriosos e perigosos. Apesar de a idade das trevas, ter acabado com o fim da idade média, o ritual de queima de bruxas partiu idade moderna adentro, só vindo ser considerada realmente hedionda mais recentemente do que se imagina.
Ficcionalmente, a maioria das bruxas é retratada com uma figura forte, independente e inteligente demais para ser pega, torturada e queimada, logo, as pessoas queimadas eram inocentes. Em outras histórias, bruxas são tratadas como criaturas como qualquer ser humano comum, apenas com uns acréscimo importante o que faz com que mesmo que algumas na história tenham sido queimadas, sobreviveram bruxas o suficiente para reproduzir e manter o sangue bruxos até os dias de hoje.
Pois ela acreditava ser bruxa, Stefan, e, portanto, perversa e para ela esses eram os ritos do demônio que celebrava com tanta obstinação. No entanto, seu coração era tenro e carinhoso, juro-lhe, e isso resultava numa combinação rara e explosiva.A Hora das Bruxas, Volume 1, Anne Rice. Rocco - 1994.
O agravante final da bruxaria é a diferença entre magia negra e magia branca. Para muita gente, a magia é cinza. Essa definição vem do principio de que algumas bruxas são do mal e outras são do bem, mas as pessoas são do mesmo jeito. E existe um mal em todo bem e um bem em todo mal.
O termo magia negra era associado a rituais que eram considerados macabros, como rituais realizados à noite, usando animais, fogo e palavras estranhas. Enquanto magia branca era associado a rituais que envolviam só ervas, cristais e cantos ritmados.
Porém, magia negra era um termo muito frequentemente associado a rituais que envolviam direta ou indiretamente o demônio - como é em As Crônicas de Kat -, mas nesse caso você não precisava necessariamente ter poderes para praticar magia negra. Era só ter coragem.
- Eu me lembro, mas Verdant é diferente de qualquer outro vilarejo que já visitamos. Tem sangue de bruxas espalhado por cada canto dessa cidade. É muito mais poder do que eu já vi. Um passo em falso, leva direto para um abismo.Com o silêncio que se seguiu eu fui forçada a me virar para Ellie.- Porque você sempre fica tão absorta quando fala sobre bruxas?- Porque eu sou uma, oras!- Não, Kat. Você está morta agora. Você é uma vampira.O tom condescendente, o mesmo que ela usa com Pierre, fez meu estômago revirar.- Morta ou não, eu tenho sangue nas veias e meu sangue é de bruxa. Eu ainda sei feitiços, invocações, evocações e ainda posso chamar a natureza... Ela apenas não me reconhece mais como parte dela.As Crônicas de Kat - Capítulo 2 - Danse Macabre, Giulia Santana. 2013.

Bruxas são diferentes em cada folclore, assim como toda criatura mistica existente. Elas já foram infernais, santas, malditas, sagradas, vampirescas e até engraçadas (Oi, J.K. Rowling). E a pergunta é: qual sua bruxa preferida? Eu diria que a minha é Deborah Mayfair d'As Bruxas Mayfair da Anne Rice. Porque foi ela que criou a história de uma linhagem poderosa e extremamente assustadora.. e eu não vou dar spoiler do livro.
Enfim, até mais.
G.

Fontes (é :

You May Also Like

0 comentários