As Crônicas de Kat - 2ª Fase - Capítulo VIII

by - 23:59

“E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.”
Hebreus 9:22 (Bíblia Sagrada)
As Crônicas de Kat:
Lullaby
Piatra Neamt, Romênia
21 de julho de 2016
Anika
Ela que descende da Criadora
E possui em suas veias um legado maior que as Estrelas
Criada para ir além da Abominação que a fez nascer
Toma controle daquilo que lhe foi negado
Nasce de novo, de Cinzas
A última de sua Linhagem de Sangue
E se torna Senhora
Herdeira; Princesa

Os acontecimentos do dia fazem aparecer em Ellie seu lado protetor. Assim que chegamos à casa de Rowan ela alista Valentina e eu e depois de garantirmos que Tatiana vista roupas limpas e que Sophie descanse, é a hora de conferir a situação de Alexandra. A garota ainda está desacordada no quarto de Rowan, deitada em sua cama, pálida como um fantasma e Juliana não sai de sua cabeceira. Não preciso olhar duas vezes para notar que colocá-la sobre a cama foi uma ideia estúpida: é possível ver a mancha preta que se alastra embaixo do corpo dela, sujando os lençóis cor de rosa e provavelmente o colchão. Ellie olha para Juliana:
- Vá ver sua outra irmã. - ordena.
Juliana olha para Ellie, surpresa. Vai discordar, mas olhos de Ellie se aprofundam, lançando pequenas faíscas de gelo e ela não precisa repetir a ordem. Ainda assim, quando Juliana passa por ela para sair, cabisbaixa, Ellie acrescenta falando bem mais baixo:
- Confie em mim.
Quando a porta se fecha, Ellie coloca a caixa de primeiros socorros no chão e pede ajuda para que viremos o corpo de Alexandra. Isso feito, ela começa a rasgar o vestido da menina nas costas e pede que eu pegue o soro fisiológico na caixa. A caixa de primeiros socorros está cheia de ervas e cristais, junto a alguns produtos médicos. Nem me surpreendo, pego o que foi pedido e uma gaze, e assim que entrego a Ellie, ela começa a limpeza.
Ellie limpa a espinha de Alexandra com cuidado para não causar mais secreção do líquido negro. Enquanto faz isso, a respiração da paciente sofre algumas alterações. Em um momento, se aprofunda. Logo em seguida, se acalma. Quando Ellie termina a limpeza e coloca a gaze completamente negra de lado, eu e Valentina nos aproximamos para ver o que restou. Três buracos estão espalhados pelas as costas de Alexandra, um próximo ao pescoço, um no meio da espinha e outro já no quadril. Cada um deles tem o tamanho de uma moeda e ameaça soltar mais secreção caso seja tocado.
- Que diabos é isso? - Valentina diz exatamente o que eu estava pensando.
- Digamos que é por onde o parasita saiu.
- Eu pensei que o parasita fosse espiritual. – digo, enjoada.
- E era, mas ele precisava que ela sangrasse para poder sair de sua alma.
- Isso tudo é sangue? - Valentina pergunta estendendo as mãos. Como ela está inclinada sobre a cama para ver Alexandra de perto, suas mãos estão cheias do liquido escuro.
Ellie concorda com a cabeça.
- Não cheira como sangue. - comento.
Ellie suspira. Ela encara o corpo de Alexandra como se não tivesse certeza do que fazer em seguida.
- Sabe como seu sangue é mais escuro que o sangue de um humano e o sangue de Pierre mais escuro ainda? - Ellie pergunta. Valentina e eu balançamos a cabeça. - Isso - Ela indica a gaze - é o que acontece quando você é um só com uma escória do Inferno por meses. O sangue dela é longe de consumível no momento.
- Mas ele vai voltar ao normal? - pergunto.
- Já está voltando, eu espero. - Seus olhos de repente se alargam, como se tomados por uma percepção repentina. - Valentina, você teria um punhal com você?
- Pergunta idiota. - Valentina diz, tirando da bota um punhal de cabo vermelho esculpido com diversos desenhos.
- Anika, - Ellie chama - garanta que nenhuma vampira está perto da porta no momento, por favor.
Mesmo querendo ver o que ela vai fazer, eu obedeço. Abro a porta e não vejo ninguém por perto, mas fico lá, com a cabeça para fora da fresta da porta, por garantia. Ouço um chiado vindo de dentro e minha cabeça volta para o quarto como se tivesse vontade própria. O cheiro de sangue humano toma meu nariz. Ellie fez um corte no próprio pulso e agora esfrega sobre a pele de Alexandra, onde os buracos estão. Valentina acompanha tudo com os olhos arregalados. O ato segue por mais de um minuto, antes de Ellie se afastar e o corte no seu pulso se fechar. Ela parece enjoada por meio segundo antes de se levantar e ir até a caixa de primeiros socorros. Como se lembrasse de repente da minha obrigação, volto com a cabeça para a abertura da porta e quase levo um susto quando vejo Persephone a alguns metros de onde eu estou.
- Posso falar com você lá fora? – a vidente pergunta, solene.
Pergunto a Ellie se ela ainda vai precisar de mim e quando recebo um sinal de dispensa, sigo Persephone até o quintal da casa. Três de nós estão no quintal - Olívia, Kaylee e Tatiana - aproveitando os raios de sol que surgem com regularidade por trás de nuvens pesadas e escuras. Elas estão deitadas no meio do jardim, conversando com gravidade. Selene também está no jardim, correndo atrás do gato de novo. Persephone se senta à porta, distante de todas essas pessoas e eu me sento ao seu lado, esperando para ouvir.
Persephone fica calada, por muito tempo. Olha para a frente, como se observasse sua irmã, mas eu percebo que seus olhos estão sem foco. Eu permaneço parada, esperando. Consigo perceber que o que quer que ela tenha a dizer é importante.
- Eu finalmente li a profecia, quando vocês voltaram a Bucareste. Não pela vontade de Rowan, mas eu precisava saber. - ela diz, quando eu já estou esquecendo porquê estou aqui. - Tenho um pedido a fazer a você.
- Se for possível... – digo, me garantindo.
Persephone ainda não olha para mim, mas de repente dispara:
- Tome Selene como sua herdeira. Sei que você não morrerá, mas a trate como fez com Miranda e Valentina. A treine, prepare para o mundo, faça dela tudo que ela precisa ser.
- Persephone...
- Me escute. – ela interrompe, finalmente olhando para mim - Eu não pretendia contar a nenhuma de vocês sobre o meu Destino. Vocês não merecem e não entenderiam porque eu faço o que faço. Mas você vem das mesmas linhagens que eu, Anika, precisa entender. E eu preciso garantir o futuro de Selene depois que eu me perder... É minha obrigação.
- Eu ainda não decidi se vou assumir o legado de Deyah. – digo, porque é verdade.
- Não importa. Você vai assumir. Está escrito e todas as bruxas em Piatra já esperam por você. Querem você como líder e senhora. Eu não me importo mais que Selene não herde o meu legado, mas faça dela sua representante mortal. É a única coisa que eu peço, por tudo.
Olho bem para Persephone. Não adianta discutir com ela sobre o que está escrito, não adianta dizer que quero controlar meu destino. Mas não faço promessa alguma, ao invés disso foco no que ela disse:
- Você não estará aqui para garantir o futuro de Selene? Mesmo que eu assuma o legado, você tem conhecimento, dinheiro, uma família inteira.
Os olhos de Persephone ficam mais escuros.
- É isso que eu preciso contar. Quando eu tinha um ou dois anos, eu comecei a apresentar alguns comportamentos preocupantes. Ações repetitivas que beiravam a obsessão, frases sem nexo demais até para um bebê, feitiços fora de hora, pesadelos intensos. Eu dizia coisas que assustavam as crianças ao meu redor e era a única criança na cidade sem amigo algum. Conforme eu fui crescendo, esses comportamentos diminuíram. Não porque os impulsos do meu cérebro pararam, mas porque eu comecei a entender minhas visões e o que elas significavam. Entendi porque eu tinha aqueles comportamentos, eram minhas visões do futuro.
“Cada uma das pessoas envolvidas nessa guerra vai sair com marcas Anika. Marcas profundas. Mas vocês foram treinadas para suportá-las. Vocês se prepararam há anos. E sua alma já está lá. Vocês fizeram tanta coisa e viram tanta coisa. Eu, não. Ir ao Inferno ou ser um portal para o Inferno não vai simplesmente me deixar abalada como Kaylee ou emocional como Ellie. Vai me destruir, Anika. Vai destruir minha mente e quem eu sou. Eu sei disso desde que eu nasci, mas eu pensei que tivesse entendendo... Que pudesse impedir a loucura de chegar e manter minha cabeça no lugar, mas desde que Valentina roubou aqueles ossos, eu me sinto, me perdendo aos poucos. E a data na profecia está chegando cada vez mais rápido.”
- “E aquela que Tudo Sabe, perde a si mesma quando a Lua voltar para o mesmo lugar.” – recito, da profecia. Talvez eu tenha lido tudo mais vezes do que Kat.
Persephone suspira.
- Meu décimo nono aniversário. 1º de janeiro de 2017. – diz, baixinho.
Não digo mais nada e nem ela. Selene vem correndo com o gato no colo e pede que a irmã pegue um pouco de leite para ele, me coloco de pé antes de Persephone.
- Eu pego. – digo, dizendo com o olhar tudo que me recuso a dizer.

Bucareste, Romênia
2 de agosto
Juliana
Ela que foi Fio solto de uma Linhagem
Estrela solta de Constelação distante
Pedaço intacto de Árvore partida
Ressurge como Muda de uma Erva extinta
E Senhora daqueles que vieram com Ela e Antes dela
Receptáculo, Ramo

- Não, não. Não dá. Eu desisto. – Alexandra diz, jogando o caderno de lado.
- Está dentro de você em algum lugar. – Louise insiste. – É só tentar buscar nas profundezas de sua mente.
- Só porque o parasita sabia, não quer dizer que eu sei.
- Se a sua língua já falou romeno antes, ela consegue falar romeno novamente.
As duas estão conversando em francês – a única língua além do inglês que Alexandra foi ensinada desde que era um bebê. Minha mãe sempre dizia que quem não sabia francês era aculturado, que falar apenas inglês, a língua mais fácil do mundo era coisa de crianças mal-educadas. Ela tinha mais medo de que fossemos burras do que que estivéssemos mortas.
- Desista, Louise. – Digo, me levantando – Se nada der certo, nós a abandonamos na cidade e deixamos que ela tente até conseguir se comunicar sozinha.
Alexandra parece ofendida pela sugestão, mas Pierre vai em sua defesa:
- Se a maior parte da população fala inglês, eu não vejo sequer um bom motivo para aprender romeno.
- Significação cultural? Necessidade de compreender as expressões idiomáticas? – A voz de Kat sobressalta todo mundo no quarto.
Pierre se levanta da minha cama como se ela estivesse pegando fogo, Alexandra abaixa a cabeça e se aproxima da escrivaninha, dominada pela presença de Kat. Louise e eu nos entreolhamos e sorrimos.
– Quando visitamos um lugar queremos mais do que apenas nos comunicar, Pierre. – Louise responde - Queremos explorar, entender.
Pierre revira os olhos.
- Quem de nós foi criado por Kat mesmo?
- Tecnicamente, todo mundo neste quarto exceto por Alexandra. – respondo.
- Ela é jovem – Kat responde – Ainda há tempo.
Todos rimos, exceto por minha irmã mais nova, que fica introspectiva. Atrás de mim, na janela, o vento parece ficar mais frio. Tem algo de cansado em Alex em todo tempo desde que o parasita deixou seu corpo e ela perdeu todo aquele sangue. Mesmo depois de dias de cama, boa alimentação e até uma sugestão de que tomasse sangue de vampiro (Ellie que impediu que isso acontecesse), ela se sentiu forte o suficiente para voltar para Bucareste, mas mesmo que agora esteja próxima de seu antigo eu, ela não é a mesma pessoa agora. Não sei porque esperava que fosse.
- Como está a busca pelo céu que sangra? – Louise pergunta quando as risadas diminuem.
- Na mesma de sempre. – Kat reclama. – Persephone não tem ajudado muito porque não acha que seja uma boa ideia depender tanto da profecia.
- E ela é a vidente. – resmungo.
- Eu ainda acho que é sobre o pôr-do-sol. – Alex diz, mais baixo do que diria se Kat não estivesse aqui - Vocês já viram a cor do céu quando o sol está se pondo aqui? Parece pegar fogo.
- Pegar fogo não é a mesma coisa de sangrar. – digo, enfiando a mão no cabelo para me ajudar a pensar - O tom do céu que sangra tem que ser menos chama e mais... Bem, sangue.
- Sim, mas o sangue de quem? – Kat interpõe. - Só nessa casa existem pelo menos quatro tons diferentes de sangue. Talvez o céu por onde entraremos no Inferno sangre preto.
Essa frase faz com que todo mundo olhe para Alex ao mesmo tempo e ela se encolhe com um arrepio. As outras pessoas na sala percebem isso e desviam o olhar, mas eu o mantenho, até que Alex olhe para mim.
- E como nós saberemos que o céu está sangrando preto em uma noite sem lua? – pergunto para Kat, ainda observando Alexandra.
- É isso que precisamos descobrir. O quanto antes.

7 de agosto
Sophie
Ela que não pode ser Tocada
Destruída ou Apagada
Que nasceu como Força, independente de Dominação
Infinita como as Estrelas
Perde entre seus dedos aquilo que não Controla
E se torna uma só com o que despreza
Intangível; Intocável

Depois de me pegar buscando a lua pela janela durante a noite inteira, eu escapo pela porta dos fundos assim que param de prestar atenção em mim. Ando pelo campo aberto atrás de nossa casa, até onde uma floresta começa, para deixar de ouvir os sons vindos do Exército. Festejam meu aniversário como eu sempre fiz, me enchendo de presentes e dançando a noite inteira. Se deixam perder por pequenos prazeres. Não percebem que não vejo motivos para festejar até o fim da guerra e que não podem me dar a única coisa que eu quero...
Quando me sinto completamente sozinha e o único som ao meu redor é o vento, eu olho para cima. As nuvens cobrem o céu quase que por completo, mas a lua crescente brilha por cima delas em seu zênite, como nunca brilhou. Posso sentir a tempestade que nunca vem como se ela estivesse em minhas veias. A energia de cada uma das criaturas que escapou pela ruptura toma o céu e o escurece. O céu não é o campo de batalha, mas a fumaça sempre chega até lá no fim da guerra.
Olho para a lua como se pudesse olhar para dentro do Inferno pela fresta e ergo o nariz presunçosamente. Sinto vontade de gritar "ME TOQUE! ME DESTRUA! PROVE QUE É UMA FORÇA MAIOR QUE EU E QUE TEM CONTROLE SOBRE TODAS AS COISAS MALDITAS DO UNIVERSO!", mas as palavras nunca saem. Elas estão presas no meu coração, o enegrecendo e sobrecarregando. A tempestade. Eu não quero a morte, eu quero paz. Essa guerra tem durado tempo demais e já tirou demais de mim. Estou cansada de ser lapidada pela minha própria indestrutibilidade. E definitivamente me cansei de palavras vazias sobre uma guerra qualquer.
Não se tira algo de mim duas vezes e permanece incólume. Se a imortalidade é minha maldição, eu estou disposta a ser a última de pé. Se eu sou poderosa demais para ser tocada por você, eu sou poderosa o suficiente para causar o fim do mundo. E se isso é o que é necessário para conseguir minha vingança, é exatamente isso que eu farei.

12 de agosto
Eleanor
Ela que é Canção
Que Entende, que Vê, que Indica
Tranca das Estrelas
Subjugada pelo peso de seu próprio Coração
Ama almas condenadas a só entender a Adoração
E se torna prisioneira de suas próprias Feridas
Chave; Réquiem

- Nós precisamos contar a elas, não precisamos?
Não respondo de imediato. Permaneço com os olhos fechados e o rosto virado para o céu. Deixo que os raios de sol tomem meu corpo, o aquecendo. Não me importo que esteja suada ou que esteja tão quente que fico um pouco tonta. A sensação é boa. O calor me deixa confortável. Meus dedos se entrelaçam na grama embaixo deles e me impulsionam um pouco para cima, me deixando centímetros mais perto da luz. Do sol, do calor. Fazem com que eu me sinta mais viva.
Dedos frios tocam meu braço, onde eu sei que uma veia se destaca, e de repente eu me torno consciente do meu redor. Da presença de Kat. Do olhar de Kat. Seu olhar adorador que vê na minha imagem algo que eu não consigo compreender e não poderia descrever. Seu olhar me deixa fria. Faz com que correntes geladas atravessem meu corpo. Eu queria queria que ela entendesse o que me faz sentir. Queria que nos sentíssemos do mesmo jeito.
- Precisamos. - digo, sem abrir os olhos. Seus dedos contra minha pele já indicam como ela olha para mim, não preciso ver seus olhos.
- Você acha que elas vão entender? - Kat pergunta, a voz falhando – Que fará sentido para elas?
- Depois de tudo que aconteceu? - digo, me segurando para não tremer com um calafrio. - Duvido que se importem.
Kat tira a mão de mim e suspira. Aproveito para me deitar contra a grama macia e relaxar à luz do sol.
- Sei que estou sendo paranoica. – ela diz, muito tempo depois – Mas Ellie, eu continuo vendo os designíos do Destino se desenrolando na minha frente e não ter conseguido fazer nada para pará-lo tem me dado uma sensação de impotência como nunca experimentei antes. Eu não quero perder mais ninguém. Não quero que o Exército se separe quando tudo terminar, justamente por consequência da guerra.
Uma leve irritação atravessa meu corpo. O desejo cortante de ficar sozinha, com meus próprios pensamentos, misturado a uma raiva de ter que ajudar Kat novamente. Eu não quero ajudar Kat, não quero dizer que vai ficar tudo bem, não quero tirar dela medos e dúvidas. Tenho meus próprios medos e dúvidas, muito mais intensos que os dela, naturalmente. Quero dizer tudo isso a ela, mas qualquer sentimento ruim evapora quando abro os olhos e ao se adaptarem a luz a primeira coisa que eles veem é ela. Olhando para mim de cima, com o rosto inclinado na minha direção e os cachinhos caindo sobre a bochecha.
- Cada uma de nós está lutando contra os próprios demônios. – É o que respondo, quase sem me mexer. – E algumas podem perder.
- Eu queria poder destruir todos eles com as próprias mãos.
- Katerina, se você precisasse vencer todas as guerras sozinha, não precisaria de um Exército.
Kat suspira novamente. Então se deita ao meu lado e abre um sorriso na minha direção.
- E quanto a você? Quais são seus planos para depois da guerra?
- Não tenho plano algum. – minha voz soa firme.
- Nenhum?
- Não.
- Então não me deixará? Nunca?
Como responder a isso? Com o que desejo? Com a verdade? Com o que ela quer ouvir?
- Não está escrito que farei isso.
- Arg. – Kat resmunga, franzindo o nariz. – Não suporto mais esta frase.
- Então paremos de falar sobre o futuro e sobre o Destino. Pense no aqui e agora, Kat. Hoje é um dia lindo, você não tem coisa alguma a fazer e mais de um mês até que a batalha final aconteça.
Kat concorda com a cabeça e fecha os olhos aproveitando o sol como eu fazia há alguns minutos. Fico a observando de olhos fechados, como um anjinho de afresco, inocente como quando dorme. Meus sentimentos por ela parecem mudar quando ela está assim. É algo na vivacidade de seus olhos e sua expressão, a maturidade de quase 172 anos além do que aparenta ter que me fascinam e atraem. Toco seu rosto e afasto um cacho para o lado. Ela abre os olhos, não por causa do toque, mas por meu pulso estar tão próximo de seu faro.
Aqui está. Meu pequeno demônio. Minha Katerina.

21 de agosto
Valentina
Ela que é Sol, Areia
Que percorre o Topo ao Fundo de uma ampulheta
Dona de pureza amedrontada, derrama Sangue sobre as Estrelas
Sem nunca errar o Objetivo que almeja
E se torna a Dominante
Lado Escuro, Yang

Eu posso sentir a caixa vibrar quando atravesso o portãozinho até a entrada a mansão.
- Bruxa idiota. – Resmungo, enquanto realoco a caixa para trocar a campainha.
Persephone abre a porta e toma a caixa de mim antes que meu dedo alcance o botão.
- Ei, calma aí. – Reclamo, a seguindo para dentro da casa.
- O que você ainda deseja? – Ela pergunta sem se virar para mim, ainda andando pelo longo corredor, agarrada à caixa de sapato como se fosse um objeto vivo que precisava proteger a qualquer custo.
É quase isso.
- A confirmação da sua parte do combinado.
Persephone se vira e os olhos faíscam roxo na minha direção.
- Venha comigo. – diz.
A sigo até a sala de estudos no fundo da casa. Algo corta meu corpo ao entrar ali. É a primeira vez que volto à sala desde que Miranda morreu. Aquele lugar era o preferido dela em Bucareste, foi onde ela descobriu tantas das coisas que me contou... Coisas que me fizeram roubar o corpo da mãe de Persephone e estar aqui agora, fazendo a última coisa que preciso fazer antes da batalha final.
 Persephone vai até uma cômoda do outro lado da sala e pega um chaveiro. Segue então para um armário e faz sinal para que eu me aproxime, tudo isso, sem largar a caixa de sapatos. A segura com tanta força que partes de seu braço perdem a cor. Queria poder dizer que me importo em ter causado tanto sofrimento a ela. Mas não. Eu não sinto nada. E não vou sentir de novo. Essa parte eu aceito sem muitas complicações.
O armário é aberto e dezenas de frascos de vidro com amostras de sangue se mostram diante de nós. O sangue é escuro, o vermelho quase imperceptível sem a luz do sol para iluminá-lo. Todas as amostras estão identificadas, mas não com nomes, com localizações. Foram obsessivamente organizadas por proximidade geográfica e eu consigo ver muitos países que visitei e alguns que não tive a oportunidade. Estico a mão e pego um vasinho que diz ser do Quênia. Persephone me observa admirar a amostra antes de suspirar com impaciência.
- Eu vou precisar beber tudo isso? – pergunto, colocando a amostra no lugar.
- Você com certeza já bebeu mais que isso.
- Não de sangue de vampiro.
- Se você quiser representar todas essas almas em sua liberdade, precisa fazer beber tudo isso de sangue de vampiro.
- E onde está a dela?
O olhar de Persephone se anuvia. A dureza que demonstra contra mim diminui quando ela pensa em Miranda. Miranda era a única pessoa do Exército por quem Persephone possuía carinho e mesmo que sejamos idênticas ela certamente não vê minha irmã em mim.
Ao invés de pegar o pote com as mãos, ela toca o pequeno crucifixo com as doze pedras que possui no pescoço. Uma amostra de sangue vem voando na direção dela e para diante de seus olhos. Fico observando ela encarar o frasco por quase um minuto, antes de soltar o crucifixo e pegá-lo no ar. Passa ele para as minhas mãos imediatamente, como se ele estivesse pegando fogo.
- As amostras de Naomi e Charlottie também estão aí, apesar de eu duvidar que Naomi possa ser salva no Inferno.
- O que isso quer dizer?
Persephone vai responder, mas depois dá de ombros. Abre a caixa que ainda carrega apenas um pouco para observar os ossos e então faz como se fosse sair.
- Feixe a porta ao sair. – ela diz, já se encaminhando para a porta.
- Persephone. – Chamo, de onde estou – Onde estão as outras dez amostras?
Persephone olha para mim apenas de relance antes de abrir um sorriso misterioso para a luz do sol lá fora.
- Onde eu preciso que estejam.

28 de agosto
Louise
Ela que fez de si Fonte
Que buscou Conhecer, Que quis Transformar Estrelas em pó
Malditos sejam dos Frutos de seu Poder
Indignos sejam os que Condenam quem Fez
Da Noite se veste e A Noite se Torna
Origem; Árvore

Quando eu finalmente consigo convencer Juliana a deixar Alex e Pierre sozinhos e vir até meu quarto para conversar, já anoiteceu. Eu sei que ela pode prever qual o tema da conversa e onde eu quero chegar. O que ela não esperava era encontrar uma caixa de papelão cheia de coisas da minha antiga casa sobre minha cama.
- Mon Dieu, Lulu! – Ela pega a boneca que estava sobre a caixa nos braços e aperta como fazia quando era um bebê.
Eu rio de como o francês sai dela naturalmente. A boneca de porcelana está nua e descabelada, além de metade do seu cabelo e rosto ter sido pintada com tinta para tecido quando eu tinha oito anos. Não sei porque Juliana era obcecada por essa boneca quando era criança e porque continuou a falar dela quando saiu de nossa casa, mas ela pode ficar com a boneca agora. Agora ela pode ficar com tudo.
- Foi esperto da parte de mamãe colocar Lulu junto dessa caixa. Ninguém pensaria que isso também estaria aqui dentro. – pego a caixa de joias de dentro da caixa e os olhos de Juliana se arregalam.
Todas as joias que minha mãe ganhou nos anos de casamento estão ali dentro. Incluindo brincos de topázio que ficariam lindos em Juliana. Minha irmã está tão surpresa por ver aquilo ali que nem se move enquanto eu coloco os brincos em sua orelha. Ela aperta minha boneca contra seu corpo com uma mão e com a outra toca os brincos. Juliana é rica, todas nós somos. Mas isso aqui é um tipo de riqueza diferente. Era a riqueza que ela via de longe quando era criança, a riqueza que sua mãe cobiçava e dizia ser seu direito. Os olhos dela estão fixos em algo atrás de mim, me viro e percebo que ela está olhando seu reflexo em minha janela. Quando me viro de volta, ela está de pé, Lulu foi jogada no chão e ela tenta tirar os brincos, horrorizada.
- Juliana, não.
- Louise, isso é seu.
- Agora. Em trinta e três dias, nada mais será meu. Nem o que nasceu comigo.
Suas mãos param em sua orelha e seus olhos escurecem.
- E você está resignada? Aceitou? Como Charlottie?
- Isso é completamente diferente de Charlottie. Quem morrer na batalha final vai mudar todo curso da história, Ju.
- Não a história que o Destino escreveu. Ela sempre disse que tudo que está acontecendo ia acontecer.
- Não faz diferença. Eu não me importo com o que está ou o que deixa de estar escrito. Eu me importo com quem eu sou e o que eu preciso fazer. Se eu não voltar - se a Árvore permanecer enterrada e eu me tornar como a escuridão da noite -, eu quero garantir você fique bem depois de tudo.
Juliana cai na cama com um bufo.
- Louise, eu sei me virar.
- Sei disso, acredite. Mas eu ainda sou sua irmã mais velha e ainda prometi que te daria tudo que é seu quando chegasse a hora. Juliana, a hora é o próximo dia 30 de setembro.
- Onde você quer chegar?
- Eu sou a Fonte, você o Receptáculo.
Juliana aperta os olhos, confusa, mas parece entender em minha expressão.
- Seus poderes?
Balanço a cabeça.
- Não é como se fosse sobrar algo em meus ossos. Você deve ser a muda, deve fazer florescer o que sobrar de mim.
- Pare com isso.
- Não tente evitar isso, irmã. É como deve acontecer. E eu quero que você esteja pronta.
Existe algo nos olhos de Juliana que eu não sei se interpreto da forma correta. Sei que ela não quer me perder, não quer que eu morra, mas ela quer isso. Quer meus poderes e meu legado. Eu me estico para a caixa e tiro alguns cadernos antigos de lá de dentro. Todos eles têm joias escondidas em seu interior. Era como minha mãe trabalhava: Transformava todo seu dinheiro em joias e mantinha muitas escondidas onde poderia pegar e desaparecer no segundo seguinte.
- O legado das Delacrois. – digo, entregando um dos cadernos a Juliana. – Você deve estudar isso, deve entender os poderes que terá, antes de recebe-los. Não precisa contar a ninguém que isso vai acontecer, pode contar com cobertura minha, caso queira estudar sozinha.
- Eu me sinto roubando. Tomando algo que não conquistei.
- Você é a minha única parente de sangue viva, Juliana. Pelas leis de qualquer país, tudo que eu tenho é seu quando eu morrer.
- Isso não é exatamente verdade. Você tem outras nove irmãs vivas.
- E elas tem suas próprias heranças. – Rebato – Escute, quero que você use as joias também. Todas e cada uma delas. – Tenho outro caderno no colo e puxo um colar com pedrinhas que parecem mudar de cor dele. – Você precisa voltar para Nova Orleans e confrontar sua mãe. Mudar o que ela tem feito com os Apreciadores, evitar que ela tenha poder contra vampiros ou que controle qualquer sombra que restar nessa dimensão. É uma batalha que eu quero que você trave, por mim.
Essas palavras parecem acalmar Juliana e fazer que ela aceite seu Destino. Ela concorda com a cabeça e distraidamente toca a pedra de água-marinha, em uma saudação de guerra. Faço o mesmo e acabo batendo as pedrinhas do colar que seguro contra o quartzo. O som do choque parece ressoar por todo quarto, mesmo sendo baixinho e eu observo com atenção o colar que tenho nas mãos. É um colar antigo com muitas pedras diferentes em toda extensão da corrente. Elas têm tom de azul, verde e amarelo, mas todas parecem brilhar com o tom de vermelho da maioria das pedras. O colar é uma daquelas joias artesanais que têm nome, de tão antigo que é: Aurora.
Pulo da cama e Juliana se sobressalta.
- O quê? – Ela pergunta, mas eu já saí do quarto e estou descendo as escadas em desespero.
Aurora. O céu que sangra.

9 de setembro
Olívia
Ela que conhece as Escrituras
Todas elas, Novas, Antigas e Mortas
Ela que Cria e que Compõe
Possui em suas mãos o que Constitui as Estrelas
E se deixa Voar para Longe, sem Retorno
Peregrina; Freira

O termo “América do Sul” me acorda. Não sei quem disse e levo alguns segundos para entender onde eu estou, mas a ideia de casa me desperta repentinamente de um pesadelo.
- Chile e Argentina. Algumas pragas têm surgido na área nos últimos dois anos, nada particularmente Infernal, mas assustador de qualquer forma. Porto Williams no Chile parece ter tido eventos infernais, com pessoas sangrando e caindo mortas no meio da rua e esse tipo de coisa. É a cidade habitada mais meridional do mundo, é claro que os eventos celestes infernais atacam a cidade com mais força.
Agora eu estou completamente acordada. Dormi na sala, em cima de um dos cadernos onde a profecia foi escrita, tentando encontrar alguma citação aos países do sul e a aurora austral. Sophie parece ter encontrado alguma coisa apenas agora, quando já amanheceu e lê algo em seu celular para Kat, Ellie, Kaylee e Persephone. Algo parece vibrar dentro de mim, com lembranças.
- A cidade, talvez, mas não o lugar. – Eu digo, sentada onde estou – Como andam as bases de pesquisa na Antártica?
Persephone pisca.
- O que você quer dizer?
Vou responder que não tenho certeza, mas meu sonho passa diante dos meus olhos, sendo lembrado com clareza. Fecho os olhos e permaneço onde estou, sem dizer nada. Vejo gelo derretendo sob gotas de sangue quente, casacos jogados no chão, o chão tão claro que reflete o vermelho escuro do céu. Tudo é vermelho. Gritos de vozes conhecidas tomam meus ouvidos. Então vem a luz e o calor. É como fogo branco descendo do céu. Calor branco destruindo o frio vermelho. Tão intenso que parece cortar o tempo e o espaço em dois, transformando um mundo em outro.
- Que diabos foi isso?
O grito de Sophie me desperta. Eu dormi de novo? O que aconteceu? Estou no sofá e Kat está sobre mim, conferindo minha testa e meus sinais vitais. Acho algo de engraçado nisso e me lembro de que dia é hoje.
- Feliz aniversário, Kat. – digo.
Kat franze a sobrancelha e eu me pergunto se lembrei do dia errado. Mas a lógica está voltando, aos poucos e eu sei que não, hoje é realmente seu aniversário.
- Isso vai soar estranho. – Persephone diz, aparecendo atrás de Kat. – Mas eu acho que você acaba de receber um presente de Deus.


15 de setembro
Kaylee
Ela que foi Abandonada, Traída, Rechaçada
Se veste de Vingança e Trai aqueles a quem queria permanecer Fiel
Amaldiçoando a si mesma e as Profundezas de quem É
Transformando-se em sua Própria Ruína
Dona de sua própria morte
Angústia; Amaldiçoada

Começo a fazer as malas apenas para não ter que ficar lá embaixo, planejando a viagem. Como as meninas podem estar tão animadas para ir para a Antártica para uma guerra que vai matar algumas das que sobraram de nós? Entendo que o momento que muitas esperaram por mais de um século está a quinze dias de distância e que isso é assustador, mas é assim que eu fico, assustada. Não ansiosa, definitivamente não ansiosa.
Respiro fundo enquanto estou colocando uma blusa na mala. A porta do meu banheiro é chutada e eu salto, antes de me encolher. Lembro do conselho de Ellie: Puxar toda raiva que tenho por ela estar viva de dentro de mim, transformar a raiva que tenho da Morte em raiva dela, porque tudo que ela é no momento é um soldado da Morte. Eu não preciso ter medo ou me sentir culpada. Se ela tem raiva de mim é isso que eu preciso ter dela também. Raiva.
- O que você quer? – Pergunto, me aproximando da porta, mas sem abri-la.
- Sair daqui. – Amelie sibila do outro lado da porta.
- É, não vai acontecer. Eu estou pensando no que fazer com você antes de ir para a Antártica.
- Antártica?
- É onde a batalha final vai acontecer. Vamos para lá amanhã. – Não sei porque estou contando isso a ela, mas não me incomodo em dizer.
Ela está presa no banheiro e por muito mais que algumas fechaduras. Ser uma bruxa e ter mais duas bruxas do seu lado pode ser de grande serventia.
- Me leve com vocês. – Ela parece ter se aproximado mais da porta e agora a esmurra.
- Você enlouqueceu?
- Não, mas você está enlouquecendo e sabe disso. Me deixe ir, Kaylee. Deixe a Morte fazer parte disso.
- Cale a boca.
- A Morte deseja você do lado dela. Quando a guerra acabar e você não tiver para onde ir. Venha comigo. Não se deixe se perder ou viver em angústia.
Percebo que vai ser impossível ficar no quarto. Resolvendo que compro as roupas que precisar em algum aeroporto, enfio as roupas que estão sobe a cama na mala de qualquer jeito e pego a bolsa com itens pessoais. Amelie parece notar que eu estou deixando o quarto e diz, assim que eu abro a porta, alto o suficiente para todo o prédio ouvir:
- Ainda não acabou. Não acaba até a Morte dizer que acabou.

Ilha do Rei George, Antártica
30 de setembro
Tatiana
Ela que foi morta pelo Fogo, sem que Queimasse
Que nasceu de Chama que tentaram conter
Se Transforma, Renasce, Se torna Nova
Não como Fênix por não ser Cinzas
Mas como Estrela que Queima por Milênios
Vê tudo que Estava Escrito
Sem ter como Reescrever
Olho; Fogo

Quando a noite chega, o vento para. É assim que sabemos. Ficou escuro durante a maior parte do dia, as luzes da aurora austral nos assustando enquanto esperávamos a hora certa. Às seis da tarde do dia mais escuro, do ano mais escuro, o céu que sangra se torna mais denso e o vento para como se o frio estivesse suspenso naquele momento. As onze – Kat, Ellie, Sophie, Anika, Valentina, Kaylee, eu, Juliana, Louise, Olívia e Persephone – deixamos o abrigo assim que isso acontece, Alexandra e Pierre permanecendo seguros. Nos surpreendemos. Está quente. Não quente o suficiente para derreter o gelo por completo, mas quente o suficiente para que tiremos os casacos. E fazemos isso, deixando todo eles caídos na entrada do abrigo no qual moramos por duas semanas.
Caminhamos em silêncio, introspectivas, em formação. Persephone vai à frente, testando o solo. Um trovão ressoa no céu e todas nós paramos ao mesmo tempo. A formação era tão precisa que não precisamos reagrupar nada. Já estamos onde deveríamos estar. Persephone, Sophie e Kaylee formam um triangulo ao redor de nós e Ellie está parada no meio, com as sete que irão ao Inferno viradas para ela. Ela olha para cima, o vermelho do céu está se aprofundando e toda aurora parece se reunir em uma simples linha.
- Chegou a hora. – Ela diz, a Kat.
As bruxas começam um canto, de olho fechados e mãos erguidas, evocando alguma força ou feitiço que não entendo. Uma a uma, nos aproximamos de Ellie para tomar um pouco de seu sangue. Conforme ela é mordida, ela diz algo a quem a morde.
- Eu estarei aqui quando você voltar. – Diz a Kat.
- Você foi feita para isso. – Diz a Anika.
- Diga a Miranda que sinto sua falta. – Diz a Valentina.
- Não as guie para a ruptura. A janela é a saída mais segura. – Diz a mim. – Isso inclui as almas de Valentina.
Me pergunto porque ela disse mais a mim do que às outras. O que ela espera que eu faça? Por que deposita tanto em mim? Antes que eu chegue a uma conclusão, já precisei me afastar e Juliana se aproxima, para beber e ouvir o que Ellie tem a aconselhar.
- Você vai ficar bem.
Louise se aproxima e o ritual se repete:
- Foi uma honra conhecer você.
E então é a vez da última, Olívia.
- Obrigada por entender. – É o que Ellie diz.
Não entendo, mas Olívia sim. Ela balança a cabeça e se afasta com orgulho no olhar. O canto aumenta e Ellie abaixa os braços cortados para a neve. Seus ferimentos não fecham e o sangue começa a manchar a neve branquinha, deixando Céus e Terra da mesma cor. A voz de Persephone se difere do canto das duas outras bruxas. Quando ela faz isso, o sangue de Ellie se arrasta pela leve e alcança nossas pernas, subindo por elas e nos agarrando ao chão.
Louise é a única de nós sem sapatos. Suas pernas começam a queimar quando o sangue a alcança, mas ela não grita. Fecha as mãos em punho e parece erguer algo. Um soluço corta o silêncio cortante da noite e eu vejo Juliana chorar, pela primeira vez. Seus soluços são tão altos que parecem gritos na minha cabeça. Louise ergue as mãos para o seu, concentrada. Seus olhos também se erguem e o azul delicado é tomado completamente pelo vermelho escuro.
- Os Sinos do Inferno chamado o vampiro à casa para o sono da morte. – Ela recita, tendo escolhido suas últimas palavras. É Anne Rice. – Ah, a beleza enternecedora do céu, a beleza da visão dos campanários sombrios. E um curioso pensamento me ocorreu, o de que a luz do fogo do inferno deveria ser tão brilhante quanto a luz do sol, e seria a única luz do sol que eu veria de novo.
Uma lágrima grande e dolorosa de sangue escapa dos olhos de Louise e escorre até seu nariz, antes de pingar na neve.
Minha respiração seguinte acontece já dentro do Inferno. Demoro a me adaptar e as coisas que aconteceram entre um instante e outro voltam a mim como um sonho. Um raio luz branca e quente tomou o espaço e o tempo e o dividiu em dois, exatamente como Olívia descreveu depois de ter uma visão. Como descrever a sensação de estar dentro do Inferno? De ser minha alma, ao invés de um corpo controlado à distância? Eu deveria conseguir, afinal essa não é minha primeira vez aqui.
A primeira vez foi no dia em que O Fogo subiu da Terra aos Céus. O dia em que eu subi da Terra aos Céus. Mas eu não me lembro do que aconteceu naquele dia, Ellie se lembra, mas eu não. Só me lembro que voltei cansada e quente e que depois disso não podia mais queimar, mesmo que colocasse fogo em minhas roupas ou meu cabelo. Eu me sentia indestrutível.
Do que eu estou esquecendo? Estou esquecendo de algo, sei disso. Estar no Inferno é diferente de estar na Terra. Não sou corpórea, sou como uma massa de lembranças, um amontoado de desejos, uma confusão de sentimentos. Não é sobre ver, é sobre sentir. E eu estou no Inferno, eu estou em agonia constante, queimando e sendo assombrada pelas almas amaldiçoadas e pelos erros que cometi... Ou eu deveria estar. Não me sinto assim, me sinto tranquila e em paz. Como se finalmente reconhecesse uma parte de mim que foi removida, para em seguida ser transplantada de volta, mas restaurada, diferente. Eu não estou queimado. Eu sou o Fogo. Eu não sou Queimada. Queimo.
É isso.
Sinto as energias ao meu redor e consigo identificar todo mundo. Todas as dez. Não. Não são dez. São nove. Naomi não está aqui. Onde está Naomi?
“Não importa.”
“O quê?” É Kat, é a energia de Kat. A voz é minha porque é minha alma e minha cabeça, mas estamos nos comunicando.
“Não importa onde Naomi está agora, Tatiana. Tire quem você puder daqui, por favor. Ache a saída.”
“A saída está logo ali”, penso. “Ali, no fio vermelho em meio a todo branco e preto. A brisa em meio a todo calor.” Noto que as energias estão todas violentamente agitadas. Em agonia, elas estão em agonia. As nove energias que reconheço estão em agonia e mais milhões de milhares de energias ao meu redor também estão em agonia. Em uma agonia crescente. Eu sinto, mas não sou afetada por essa agonia.
“Os vampiros estão vindo. Soa a energia de Valentina. São muitos, Kat. Não tem como passar todos pela janela.”
Use a ruptura.
“NÃO”, grito. É como se tudo fosse o grito agora. Como se toda minha existência houvesse se transformado no grito. “NÃO. ELLIE DISSE PARA NÃO USAR A RUPTURA.”
“Ela precisa, Tatiana. Se Valentina não liberar todos, sua alma vai ser destruída.”
Uma energia entra e sai do meu campo de conhecimento. É Persephone. Era Persephone. Não sei se ela ainda está aqui ou como o tempo funciona aqui. Tento me concentrar.
“Mas é perigoso, Kat. Eles têm sombras controlando a ruptura. Se Valentina for até lá ela pode ser destruída também.”
Uma das energias para. Congela como se tivesse se tornado de ferro. Como se tivesse queimado. Todas nós parecemos perceber isso ao mesmo tempo. As outras almas se acalmam como se a morte tivesse as fortalecido por um instante, para ver além da agonia. Três almas escapam pelo buraco vermelho.
Reconheço quem ficou, Kat, Valentina e eu. Miranda e Charlottie também estão aqui.
“Ellie sente sua falta, Miranda.” Penso. “Sophie sente sua falta, Charlottie.”
Elas não escutam porque sentem dor demais. Estão sendo queimadas e magoadas há tanto tempo. Elas merecem paz.
“Elas merecem paz. E eu vou dar exatamente isso a elas.”
Valentina se move em direção à ruptura carregando centenas de energias com ela, incluindo as de Charlottie e Miranda. A ruptura é um buraco como o buraco vermelho que é a janela, mas é escuro, negro como a noite. Não existe noite no Inferno. Mas existem estrelas.
“Digam a Ellie que nós sentiremos sua falta. E pensaremos nela para sempre.”
Valentina enfrenta a ruptura com um empurrão de energia, sendo atacada por duas sombras assim que começa a atravessá-la. “A DEIXEM EM PAZ”, minha energia grita, fazendo com que as duas sombras queimem em uma bola de energia vermelha.
A energia de Kat faz algo que eu não entendo. Se move como se estivesse se afastando da ruptura, apenas para voltar com força, atingindo a ruptura em cheio e empurrando a energia de Valentina e de centenas de almas para fora.
“Deem paz a ela.” Ela ordena, para algo que não veem. “Deem paz a ela e libertem a alma de cada vampiro da maldição de estar aqui. Eu sou mais forte que Você, mais Poderosa que Você e Você não pode me tocar a menos que eu o diga.”
“Katerina.” Essa voz soa como se viesse das paredes. Não existem paredes no Inferno, mas ela soa como se viesse dos fundamentos do Inferno. “Ainda crês ser pura?”
“Eu nunca fui pura. Minha alma estava manchada pelo Inferno desde antes de eu nascer. Mas eu consegui manter luz o suficiente dentro de mim para atrair doze das almas mais puras que já habitaram nesse planeta. E todas elas, cada uma delas, foi Abençoada com pelo menos um Poder que supera qualquer coisa que o Inferno já tenha visto. E agora Eu Sei. Sei que não podem me destruir a menos que eu permita. Sei que não podem me tocar a menos que Esteja Escrito. Sei que não sou o que vocês quiseram de mim, mas o que Nasci para Ser. E eu Nasci para Ser a Libertadora.”
“Este é o fim dos vampiros. Da vida eterna que tão prontamente aceitou tantos anos atrás.”
“Isso é entre mim e a Morte.”
“O último inimigo a ser vencido.”
“Tatiana, Vá!” Kat ordena.
Eu fico onde estou. Posso sair quando quiser. Ellie me pediu para guiar todas ao lado de fora e você não vai sair depois de mim.
“Não podemos lhes conceder paz. A voz repete. Elas saíram de nosso controle. Mas se você quer o fim daquilo que Deyah criou, daquilo que todas vocês desejaram. É o fim que terão. Vivam como criaturas próprias. Não voltem se arrastando até nós.”
O buraco vermelho se ergue, maior do que nós duas. Posso notar a energia de Kat querendo gritar, fazendo exigências, mas é tarde demais. Eles nos expulsaram. Me surpreendo quando volto à Terra acordada.

1º de outubro
Katerina
Ela que Nasceu, não para Si Mesma
Mas como um Propósito
Pura, Tomada, Negada, Imaculada
Tomou muitos Nomes, dominou Faces
Desconhece Desejo, Identifica na Dor
Salvadora da Criação, Líder da Rebelião
Anjo; Libertadora

Eu sinto como se tivesse sido jogada de um prédio e atingido o chão com o impacto dos meus joelhos. Caio no chão tremendo de dor e de frio. Ao meu redor, minhas ex-vampiras estão nas mesmas posições ou abraçadas, tentando se ajudar. Muitas estão chorando. A formação não mais existe, a guerra acabou. Somos humanas. Ou algo próximo a isso. Somos sete.
Me coloco de pé rapidamente e olho em volta. Dois corpos estão sobre a neve. Um cercado de sangue, outro queimado. Corro até eles e me atiro na direção deles, as lágrimas escorrendo por meu rosto antes que eu possa controla-las. Agarro os dois corpos, mesmo o ainda fumegante de Louise e começo a recitar feitiços, magias de alma que tinha jurado nunca fazer. Qualquer coisa, qualquer coisa. Preciso delas vivas ou pelo menos em paz. O Inferno disse que não pode lhes dar paz, mas elas merecem isso. Merecem paz.
Ouço meu nome ser gritado, mas não respondo. Reconheço as vozes que chamam, afastadas e se aproximando. Me tocando e tentando me afastar dos corpos. Tentando me consolar. Persephone grita que eu pare com os feitiços, mas não paro. Um par de olhos surge à minha frente e então o mundo para. Ou melhor, congela.
- Kat. – Ellie chama. Meus olhos reconhecem seu rosto e eu solto os corpos para abraça-la. Ela me abraça como se fosse a primeira vez. Deus, é a primeira vez? – Kat. – Ela repete, sussurrando. – Nós não somos sete. Somos oito.
Me afasto, surpresa e olho para cima, para as humanas e bruxas me olhando de cima com atenção, surpresa ou carinho. Olhos cheios de sentimentos. Nove pares de olhos contando os de Ellie. Um par é roxo, então não são importantes. Mas os outros são da cor certa. E são oito. Não sete, como a profecia dizia.
- Ainda não acabou. – Sophie diz, entredentes.
Não. Não acabou.

                                            


Próximo capítulo:
Afterworlds
31 de julho
às 23h59

You May Also Like

0 comentários