O álbum que faz literalmente parte de mim, a resenha oficial de Off Brand por Kira Kosarin

22:18


Vocês já ouviram a teoria que mistura evolucionismo e criacionismo de que os sete dias que Deus levou para criar o universo são apenas uma metáfora e que realmente levou milhões e milhões de anos, mas porque Deus é Deus, pareceu sete dias para Ele? Bem, você pode usar essa teoria como uma analogia para Off Brand. A história que você ouve nas sete músicas é apenas a ponta do iceberg dos milhões de grandes coisas que foram feitas para tornar esse álbum o que é.
Off Brand foi muitas coisas antes de ser Off Brand; Era um álbum, depois um EP, depois um álbum novamente, depois um álbum de 18 faixas, depois uma mixtape, depois a primeira parte de um álbum, depois um álbum de novo. Tinha muitas músicas, depois poucas músicas, depois muitas músicas novas... Costumava contar uma história completamente diferente da que conta agora. Soava muito diferente do que soa agora. Foi difícil acompanhar, mas tenho tudo registrado no meu diário. OB entrou na minha vida como uma promessa, depois como a realidade das minhas memórias favoritas. Antes de "Off Brand", eu e minha obsessão completa por uma garota feita de música.
Tenta me acompanhar: você é adolescente e começa a fazer arte. A princípio, são apenas rascunhos e coisas aleatórias. Você está apenas tentando entender o que está vivendo, tentando criar coisas que ressoam em você da mesma forma que a arte de outras pessoas ressoa. Ao seu redor, as pessoas te dizem o que fazer, como agir, o que criar. Assim, seu verdadeiro eu é revelado na arte que você não mostra às pessoas. Então, de repente, você é um adulto e pode fazer o que quiser. E o que você quer é tornar essa arte o melhor possível e transformá-la em algo de que você possa se orgulhar. Algo que você ama. Algo que mostre ao mundo quem você realmente é. Não há mais regras a seguir, ninguém para lhe dizer o que fazer. Incrível, né? NÃO!!! UMA MERDA!!! Ter livre-arbítrio é horrível!!! Especialmente porque a nova regra não é "NÃO HÁ REGRAS", é "TEM UM MONTE DE REGRA NOVA QUE VOCÊ NÃO ENTENDE". Não tem manual, você vai ter que descobrir fazendo. Se você quiser fazer isso com sendo fiel a você mesma, vai precisar reaprender todas as coisas que outras pessoas lhe ensinaram errado. Se você quiser fazer isso sendo quem você realmente é, terá de se expor a um nível de vulnerabilidade que nunca teve antes, porque as regras que você seguiu anteriormente impediam que você visse o quanto o mundo real é diferente. É um mundo que pode ser bom, mas também pode ser péssimo. E a pior parte é que não apenas o escudo que bloqueava sua visão está quebrado e incapaz de proteger você, ele também está machucando você, e ele é tudo o que as pessoas podem ver quando olham para você, em vez do novo, verdadeiro você que você está tentando desesperadamente se mostrar ao mundo.
Se você não entendeu todas essas metáforas, deixa eu explicar: quando a Kira começou a finalmente gravar a música dela ano passado, eu realmente pensei que estava pronta para ela e os mundo estava pronto para ela. Nenhum de nós estava. A versão mais verdadeira, vulnerável e completamente foda de Kira Kosarin muitas vezes é ignorada, por causa das camadas e camadas construídas em volta dela pelo Canal Que Não Deve Ser Nomeado. E como eu sei disso? Bem simples: Esta não é minha primeira resenha do Off Brand. Minha primeira resenha do Off Brand foi profissional, limpa, fofa, engraçada. Minha primeira resenha do Off Brand passou por sites, blogs e revistas. Cruzou os olhos de dezenas de editores, dezenas de criadores de sites. Foi recusado todas as vezes. E não foi porque a música não é boa. Não foi porque não é bem produzido. Não foi porque não é bom. As pessoas ainda têm dificuldade em abandonar a imagem de Kira que obtiveram primeiro, mesmo que essa imagem não seja a verdadeira Kira. Eu não mencionei O Canal na minha resenha original, mas quando um dos editores jogou o nome dela no Google, disse que não queria ter o nome do site ligado a mais uma atriz infantil tentando fazer música.
Eu escrevo para sites de música independente e sei que a música de Kira é maravilhosa e tão boa quanto muitos artistas que eu cobri (e melhor que outros). A única coisa que a impede de atrair pessoas que gostam de sua música é essa ideia de associá-la ao Canal. "Off Brand" é um álbum de R&B, mas nenhum dos artistas "relacionados" a Kira no Spotify é de R&B. O motivo é: a música dela não está chegando às pessoas que ouvem R&B. E, embora nós, fãs, possamos trabalhar duro para fazer a música alcançar mais pessoas, ela não atingirá as pessoas certas, a menos que atinja os meios de comunicação que trabalham com música também.
"Off Brand" entrou pela primeira vez na minha vida como um projeto. Uma ideia. Era o álbum em que Kira estava trabalhando desde que eu a conheci. Algo que ela queria lançar em breve, mas que ela queria fazer do jeito certo. Depois, quando ela começou a fazer shows com as músicas dela, eu me apaixonei pelo álbum tão profundamente que doeu. Não posso contar todas as vezes que chorei este ano com a ideia de que estava perdendo algo que era apenas nosso. Eu adorava conversar com Kira sobre músicas que ninguém mais se importava em aprender o nome, e pedir todas as setlists que ela tocava e fazer teorias. Quando as músicas começaram a sair, parecia que eu estava perdendo isso. Chorei pelas músicas que costumava chamar de minhas e elas se tornaram todas as outras pessoas. Eu estava com ciúmes de todos que estavam ouvindo essas músicas pela primeira vez e se apaixonando por elas pela primeira vez.
Nem todo mundo conhece a Kira da maneira que eu conheço, e eu amo isso, mas gostaria que as pessoas tivessem vontade de conhecer a Kira melhor. A verdadeira Kira. E com as pessoas, não falo apenas de fãs, falo de jornalistas. Eu quero uma entrevista que é apenas sobre música. Apenas sobre os artistas que ela mais gosta, as coisas que ela mais gostou de aprender como nova artista em uma indústria complexa, até mesmo coisas como "quem ela agradeceria se tivesse um Grammy no próximo ano". Eu só quero ler um artigo que seja tão apaixonado por "Off Brand" quanto pela atuação da Kira. Kira tem um jeito de sempre trazer algo novo para as mesmas perguntas antigas, mas eu odeio que as pessoas sempre estejam fazendo as mesmas perguntas antigas. Desafiem ela um pouco. Ela ama um desafio.
E eu preciso que os fãs parem de me dizer e de dizer para ela que querem que ela seja mais conhecida e que querem ela no Brasil. Façam algo sobre o que vocês querem!! Peçam a Kira no Queremos!! Peçam a Kira para o Flesch!! Peçam para outros artistas que vocês gostam trazerem a Kira na tour quando vierem (lembram quando a Ariana Grande trouxe a Sabrina Carpenter? Mesma coisa). Pesquisem "site sobre música" no Twitter e comecem a twittar "vocês deveriam conhecer e escrever sobre Kira Kosarin". Divulguem muito os sites que já falaram sobre a Kira, como o Febre Teen. Procurem pessoas aleatórias que estejam falando sobre música na internet e mandem a música dela. Postem coisas com hashtags sobre música para que pessoas que estejam falando sobre música e pesquisem as hashtags encontrem sobre ela. Não fale para a Kira e muito menos para outros fãs sobre o quanto ela deveria ser mais reconhecida. Falem para quem precisa ouvir. E não vem me dizer que você faz tudo isso e não adianta, porque se não adianta, você está fazendo o suficiente. Nenhum de nós fez o suficiente até que ela esteja exatamente onde ela merece estar.



Agora que está mais do que claro que estou extremamente apaixonada e intensa sobre esse álbum, você provavelmente quer saber sobre as músicas: A faixa um é Crazy's Your Type, uma das minhas músicas preferidas de todos os tempos. Essa música ficou na minha cabeça por tanto tempo depois que eu a ouvi algumas vezes nos shows da Kira no ano passado que eu aprendi a letra facinho. Até o lançamento do álbum, era definitivamente a minha música número 1 da Kira. Crazy's Your Type é exatamente o que parece. Uma música sobre o seu amigo idiota que continua namorando pessoas lixo, ignorando seus conselhos e sempre voltando para você toda vez que dá merda. Toda. Vez. Uma das minhas coisas favoritas é o fato de que a música é acidentalmente sexy. Como "Eu entendo, o sexo é ótimo" ou "I know you love her naked but that doesn't mean you love her" (Eu sei que você a ama nua (mas isso não significa que você a ama).
Então vem 47 Hours. Essa música foi um verdadeiro mistério. Kira nunca tocou ao vivo (até hoje nada inclusive), então eu não a ouvi até que ela saiu, mas eu sabia o nome dela por duas menções aleatórias separadas. Minha primeira impressão, quando ouvi a prévia da música no iTunes, foi que meu coração estava batendo contra o peito de uma maneira muito perigosa. A música era tão... boa? Tipo, hmmmm, é disso aqui que eu gosto. E, ao mesmo tempo, os vocais dela estavam fazendo coisas que eu não sabia que eles podiam fazer (o que é engraçado, porque essa música foi gravada há muito tempo e os vocais de Kira evoluíram muito no ano passado). A música estava me passando sentimentos que eu não sabia que podia sentir. Atualmente, o ritmo de 47 Hours é o mais calmante para mim. É a música que eu toco no repeat quando eu só quero um pouco de paz, e a música que eu toco quando estou me sentindo ansiosa e só preciso de algo para respirar junto. As letras, sobre um cara que gosta muito de você rápido demais, são engraçadas e foram o tema de uma das minhas sessões de terapia em março. Aparentemente, minhas expectativas são "altas demais" e eu precisava "conhecer mais pessoas". 
Então vem Area Code. Tendo ouvido o Area Code ao vivo várias vezes, minha primeira impressão da versão em estúdio foi que eu esperava que a música fosse mais rápida. Em vez disso, a música é sexy de uma maneira provocante de "eis o que você está perdendo por não estar aqui". A música é exatamente o que você coloca de fundo num vídeo que você grava no seu quarto e envia pra alguém pra lembrar que a pessoa poderia estar com você se não fosse um covarde do cacete. E eu acho que o objetivo da música era esse mesmo? Area Code era a única das músicas de Kira que eu queria saber sobre quem era. Então, eu criei uma teoria sólida sobre a pessoa e decidi que não valia a pena descobrir se eu estava certa ou não, porque amo a música e não quero que ela seja arruinada (sei  sobre quem quem são algumas das músicas e xô falar: saber abala muito a experiência da música). 
Eu meio que quero saber se o garoto em questão ouviu a música e ficou ofendido, mas pelo que eu sei de homens, eu sei que se ele ouviu, provavelmente nem percebeu que a música era sobre ele.
Wandering Eyes vem a seguir e sobre essa música ... Bem, eu não quero dizer que é a música que me deixa mais cheia de feels porque a música que me deixa mais cheia de feels foi cortada do álbum porque parecia demais com Wandering Eyes. Ainda é uma música incrivelmente cheia de feels. É a música mais antiga do álbum e foi escrita quando a Kira ainda era adolescente, descobrindo sentimentos e se apaixonando das formas certas e erradas. "Cause you're my baby, but he's my guilty little pleasure" (Porque você é meu bebê, mas ele é meu pequeno prazer culpado) é provavelmente uma das minhas letras favoritas, porque traz uma sensação tão doida de desejo. E, claro, não podemos esquecer dos vocais dessa música. Porque Wandering Eyes tem os melhores vocais no album inteiro e é justamente a música dela que eu preciso ouvir pessoalmente. Eu amo o quão perto das versões ao vivo a versão do álbum ficou, porque quando a Kira termina essa música ao vivo, é incrível. Os shows que estão cheios de amigos dela são os melhores para assistir, porque o final de Wandering Eyes é exatamente o momento em que todos ficam tipo "eu sabia que ela era boa, mas CACETE, COMO ELA É BOA".
Love Me Like You Hate Me é a música mais sexy do álbum, e definitivamente a Kira acha que pode acabar fazendo com que alguns bebês recebam o nome dela. É claro que *eu* nunca poderia usar essa música em uma playlist de sexo porque é a Kira e isso é esquisito, mas eu consigo entender. LMLYHM também é uma das músicas mais importantes para mim e a música que me causou mais lágrimas por causa do ciúmes. Isso até o segundo álbum dela sair e eu sair na porrada com o primeiro que chamar certas músicas de "minha música". Só digo isso.
Agora to Take This Outside, também conhecida como minha música de formatura. Take This Outside é a música mais dançante do álbum e também é sexy. O álbum todo é sexy, pessoal. Bad Bitch Kira é uma versão sexy da Kira e foi ela que escreveu o album todinho. O que eu amo nessa música em particular é que a letra fala com um sentimento que eu reconheço imediatamente como algo que eu senti uma vez, bebi para esquecer que tava sentindo e acabei perdendo um bottom de MisterWives que eu tava na minha jaqueta. Eu também tive que atravessar uma igreja enquanto cheirava a bebida no dia seguinte, mas essa é uma história para outro dia. Em conclusão, ouça Take Take Outside por sua conta e risco.
E, finalmente, Poison. Olha, eu JURO que não tenho uma música favorita do "Off Brand". Seria como escolher meu filho preferido. Crazy's Your Type é a minha número 1, 47 Hours é a canção do meu coração, Area Code desperta meu modo bad bitch, Love Me Like You Hate Me é meu amor complicado, Take This Outside é a minha música de formatura e Poison é a melhor coisa que aconteceu na história da música, mas eu não chamaria qualquer uma delas de "preferida". Ainda assim, Poison é a melhor coisa a acontecer na história da música. Essa música me deixa tão NSIFNDINFDFINFUIDNFBDBHSBSBSDFHBSDFHBFSD, sabe??? Eu ainda não me recuperei da primeira vez que ouvi!! Quase seis meses atrás!! Transformei essa música na minha religião e continuo usando como desculpa para fazer merdas. E é uma música difícil de tocar, mas que a Kira tocou em tour esse mês e fez questão de ser acústica porque se tem alguém que aguenta, é ela. Eu não to dizendo que Poison é a minha música (lançada) preferida da Kira, to dizendo que... se você colocasse uma arma na minha cabeça e dissesse que só posso ouvir uma música do "Off Brand" pelo resto da minha vida, eu escolheria Poison. Talvez eu até escolhesse Poison rápido demais.
"Off Brand" não é um álbum comum. Ele não segue o que você espera dele, mesmo que você pensasse que sabia o que esperar. Ele quebra todas ligações que você poderia ter criado entre a verdade da cantora e o que você pensava dela baseando-se em trabalhos passados. E a melhor parte é que isso é apenas o começo. Há muito mais Kira vindo aí. Mais até mesmo do que ela sabe, porque ela mesma ainda está descobrindo a si mesma. Eu não sei o que vem em seguida, porque mesmo que eu tente saber tudo sobre a música dela, eu não posso prever as formas em que ela ainda vai me surpreender. Tudo que eu sei é que a Kira e a música dela fazem parte de mim para sempre, literal e figurativamente.

G.
Apoie o Quebrei a máquina de escrever: Se inscreva no KindleUnlimited e assine 3 meses de graça neste link, ou teste o Prime de graça por 30 dias neste link.

You Might Also Like

0 comentários

Instagram