Duas verdades e uma mentira

O texto desse post é a primeira cartinha da nova newsletter do Quebrei a máquina de escrever no PicPay Assinaturas. A newsletter é mensal e (a partir do mês que vem) exclusiva para assinantes e é enviada toda primeira segunda do mês. Confira as recompensas para assinantes, eu juro que vale a pena. A partir de R$1 você ajuda o blog a continuar e crescer ainda mais e eu a me manter financeiramente. As recompensas incluem até mesmo promover a sua marca no blog, da forma que você quiser, por quanto tempo você quiser, possibilitando que ela seja vista por uma média de 10 mil pessoas por mês! Clique aqui e confira as vantagens.


1. Têm sido um ano longo (e a gente ainda está em abril)

A sensação de "linha de chegada" do fim de 2020 foi embora tão rápido. Não era sobre achar que as coisas ruins iam embora assim que 2021 começasse ou sobre acreditar que 2021 não poderia ser pior. Era sobre a sensação de ter sobrevivido àquela fase, de ter chegado ao final do nível 2020. Eu pensei que estaria lidando com a síndrome de sobrevivente em 2021, mas ao invés disso, eu rapidamente percebi que não posso me considerar uma sobrevivente. Eu ainda não sobrevivi.

E dói. Os dias têm se tornado impossivelmente longos e as semanas são uma batalha que a gente precisa enfrentar. Eu pensei que me isolar fosse me fazer melhor do que consumir toda notícia possível, mas eu me sinto mais perdida do que segura em não assistir ao jornal todo dia. As notícias que estouram minha bolha são sempre ruins. Amigos perdendo familiares, familiares perdendo familiares, o luto aberto da perda do meu tio sangrando ao ouvir que o outro irmão do meu pai testou positivo. Uma respiração de alívio cada vez que algum familiar é vacinado seguido de uma inspiração hiperventilada quando outra notícia de morte chega.

Eu sinto como se não conseguisse mais ir em frente. Minhas âncoras me mantém no lugar, mas não tem mais vento empurrando as velas. E tudo que eu queria era sumir no horizonte.

2. Eu sou muito grata aos meus amigos

Não foi tão recentemente que eu me dei conta de que tenho muita sorte em ter as pessoas que eu tenho hoje em dia. Por isso eu tenho tanto medo de perdê-las ou de decepcioná-las ou até de incomodá-las às vezes. Por isso às vezes é tão difícil ser objetiva sobre o que está acontecendo no mundo.

Quando as pessoas que você tem são tão preciosas quanto as minhas, você sabe que o que está acontecendo lá fora não é uma questão de escolha pessoal. Você pode fazer as escolhas que quiser, é impossível controlar o que acontece a você e a todo mundo que você ama o tempo todo.

Eu não tenho medo de morrer. Eu tenho medo de perder as pessoas que eu amo. Eu tenho medo de magoar as pessoas que eu amo caso algo aconteça comigo.

3. Eu vou ficar bem

Essa é a mentira.

--
G.

Postar um comentário

0 Comentários