Diário de NaNoWriMo: Pelo poder de Taylor Swift

Todos os posts do Quebrei a máquina de escrever só são possíveis graças aos nossos apoiadores no PicPay Assinaturas. A partir de R$1 por mês, você ajuda a tornar o bl og possível. Clique aqui e apoie.

Eu tinha prometido usar gifs de gatinhos em todos os posts sobre o NaNoWriMo, mas nesse eu queria usar gifs da Taylor Swift. Portanto, farei os dois, mas os gifs vão ficando cada vez piores.

Eu vou direto ao ponto: Deu merda e eu perdi o NaNoWriMo pelo terceiro ano seguido. Porém, essa foi a derrota mais emocionalmente satisfatória da história. Eu não estou tão preocupada por ter perdido e nem por não ter conseguido escrever todos os dias, porque eu estou engatada na história, eu sei o que eu preciso para terminar e eu acredito que eu consigo terminar dentro das próximas semanas. Num geral, eu estou enfrentando essa "derrota" (que não é bem uma derrota, porque eu trabalhei em um livro e escrevi mais de 30 mil palavras em um dos anos mais difíceis da minha vida) de uma forma muito mais saudável por causa de todas as coisas que eu enfrentei e aprendi este ano.

Vocês me viram pela última vez no dia 8, quando eu estava completamente engajada e entretida pelo livro. O que eu não contei naquele post foi que naquele mesmo dia eu tinha levado uma queda na frente do meu prédio, arrancado o tampão do meu joelho e ficado com ele inchado e dolorido. Eu passei o dia todo com dor e só fui conseguir escrever o post bem no fim do dia. Como o post ficou bem mais longo do que eu esperava também, quando eu terminei eu não conseguia processar mais nenhuma palavra. Resolvi então, contar as 2700 palavras (repito DUAS MIL E SETECENTAS PALAVRAS) como parte do NaNo. O que tecnicamente era trapaça, mas será que era mesmo? Pelas próximas semanas eu contei palavras assim várias vezes só para ter certeza de que tava contando palavras todos os dias. Depois, lá pelo último final de semana, eu mudei de ideia, resolvi que não queria a medalha de 30 dias escritos e tirei os dias que eu não tinha escrito no livro especificamente do meu gráfico. 

No dia 9, feriado na minha cidade, eu acabei indo pro hospital só pra ter certeza de que não tinha quebrado o joelho. Não quebrei, mas tomei anti-inflamatório no músculo e dipirona em gotas pra diminuir o inchaço e a dor. A médica recomendou um retorno no ortopedista caso o inchaço não diminuísse em 24 horas, mas diminuiu. Ainda assim, eu permaneci com dor por mais alguns dias e como alguém com déficit de atenção, trabalhar com dor é humanamente impossível. Qualquer desconforto físico faz com que meu cérebro entre em pane e desista de existir. Por isso, a semana foi tensa e só no write-in do fim de semana eu consegui recuperar o tempo perdido e chegar às 25 mil palavras de meio de mês.

I promise that you'll never find another like ME!

Nos próximos dias, foi um vai e vem dos infernos em relação a produtividade, mas para resumir, todo atraso durante a semana era recuperado, ao menos em partes, nos write-ins do sábado. Os eventos e participar de todos os eles salvaram a minha vida. O segundo, inclusive, teve como tema Taylor Swift com um word crawl baseado em Red (Taylor's Version) e foi o momento perfeito porque eu estava afundada em Red e no SwiftTok (a parte do TikTok que é sobre Taylor Swift), tendo até TikTok viralizando por causa disso.

Mais cedo, no dia 10, eu tinha decidido que a música tema do casalzinho principal seria I Know Places da Taylor. A chegada do interesse romântico na história mudou tudo e trouxe um ritmo diferente para a escrita. E foi tudo com a benção da Taylor Swift. No dia seguinte, mesma noite em que o álbum saiu, eu sabia que ia ficar acordada até as 2 da manhã esperando o álbum lançar por causa das teorias do SwiftTok e comecei a escrever tarde, mas mandei duas mil palavras em duas horas, terminando com 22,013 palavras totais também pelo poder de Taylor Swift. E pelo resto do mês, meus melhores sprints eram regados a All Too Well (Ten Minutes Version) porque uma música de 10 minutos simplesmente se torna uma unidade de medida de tempo quando é lançada.

É por isso que nada descreve melhor a escrita de novembro do que "pelo poder de Taylor Swift". Tudo posso na Taylor Swift que me fortalece.

Esse aqui eu nem tentei.

Até os últimos dois dias, eu tinha bastante fé de que dava tempo de terminar o livro antes do fim do mês. Mas a verdade é que eu não queria me forçar. Eu expliquei no anúncio do NaNoWriMo que eu queria ser gentil comigo mesma, porque eu merecia essa gentileza. Ser gentil significava entender quando não dava para escrever porque eu já tinha gastado toda a minha energia do dia. Era não me forçar ao meu limite. Durante o ano, eu tive muitos episódios depressivos. E quando eu digo muitos, eu quero dizer MUITOS. De passar 4 dias de cama sem energia pra fazer nada além de chorar, sem comer ou existir. Qualquer dia em que eu faço mais do que isso, é uma vitória para mim e eu vou tratar como tal.

E eu não passei novembro somente escrevendo, mas me jogando em todo e qualquer tipo de trabalho que aparecia pela frente, porque minha vida financeira nunca esteve em um momento tão complicado quanto agora. Eu também criei conteúdo pra caralho, incluindo Reels que me ajudaram a multiplicar em 4x as vendas da Oficina de Escrita Criativa (antes que alguém pense "nossa AGORA ELA TÁ RICA': antes disso, eu só tinha vendido pra 1 pessoa) e TikToks que cresceram mais minhas playlists do que qualquer outra coisa que eu fiz este ano e me fizeram vender minha primeira playlist curada.

Acima de qualquer coisa, novembro me mostrou que eu finalmente aprendi a organizar minhas prioridades, saber quando parar, dizer não mesmo quando é difícil e me colocar em primeiro lugar, mesmo que pareça que eu não sou nada quando não estou sendo produtiva. Ainda é um processo, mas eu finalmente estou me valorizando enquanto pessoa, mais do que enquanto pessoa-produtiva. O período da minha vida que eu estou passando pelo momento tem sido tenso e eu não vou sentar aqui e fingir que eu não choro quase todo dia e nem que não passo por grandes estresses e recaídas. Mas só porque eu não estou o mais feliz que já estive na vida, não quer dizer que eu não estou o mais saudável que já estive na vida. Humanos saudáveis sentem todo sentimento possível.

Eu nem vou pedir desculpas por esse aqui

Antes de ir, eu queria falar com vocês sobre a programação para dezembro nas minhas redes sociais. Chegamos ao último mês do ano e ao mês das festas, o que quer dizer muito conteúdo e muita informação de uma vez só. Eu vou vir aqui ao blog sempre que possível, até porque nós estamos muito próximos de 500 mil leituras e porque recentemente eu ouvi de alguém que meu blog nunca seria rentável para o Google AdSense e meu mercúrio em Aquário tomou isso como um desafio. Tenho vários posts, incluindo dois tipos de retrospectiva planejados, mas se não der certo, pelo menos uma vai. Se você não quiser perder nenhum, não esqueça de se inscrever para receber os posts do blog por e-mail no finalzinho da página!


E é isso. Caso alguém esteja na vibe de caixinha de Natal e queira deixar uma gorjeta para sua autora desempregada favorita ou para o blog, pode usar o PIX CNPJ 39.961.497/0001-40 ou PIX EMAIL giulia@giuliasantana.com. Qualquer coisa ajuda e, se você quiser doar, eu serei grata pra sempre.

Até o próximo post,
Beijoooo,
G.

Postar um comentário

3 Comentários

  1. Parabéns pelo desempenho no NaNoWriMo, 30mil palavras são MUITAS palavras, isso já é impressionante ainda mais dada as circunstâncias atuais da vida.
    Espero poder ler esse livro um dia.
    Boa sorte!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não saiu meu nome no comentário, mas é a Danyella.

      Excluir
    2. Obrigada!!! Espero que em breve você possa ler!

      Excluir