Diário de Bordo 6 - Pós-apocalíptico - Parte 4: Recomeços e a última que morre

by - 20:54

OLÁ, DO OUTRO LADO!! FELIZ ANO NOVO!! A GENTE SOBREVIVEU!! Eu sei, eu sei, hoje já é dia 14, mas este é o primeiro post do ano, então eu me sinto na obrigação de dizer "feliz ano novo". Então, de novo, FELIZ ANO NOVO! O ano tem passado mais devagar que os últimos para vocês também? Normalmente, os primeiros dias do ano passam correndo e quando eu percebo já é dia 15 e nada aconteceu, mas em 2017, esses primeiros dias foram tão cheios que parece que janeiro já durou mais tempo que 2016 inteiro. E é por isso que, como eu disse na página, eu vou dividir os posts sobre os primeiros dias do ano em três partes - as partes 4, 5 e 6 do Diário de Bordo 6 (os títulos das três partes já estão na página do DdB, caso vocês queiram ter uma noção do que está por vir) - e simplesmente torcer para que nada tão grande aconteça durante os dias em que eu ainda vou estar escrevendo sobre o que já aconteceu (improvável: Tem um monte de coisa planejada para esse fim de semana e para a semana que vem). Mas e vocês, como passaram esses primeiros dias de 2017? O ano começou de verdade por aí ou ainda parece um limbo? Indo ao post, vamos fazer algo que ninguém deveria fazer e voltar a 2016:
Nos últimos dias do ano, eu resolvi me endoidar. Sempre que chega um fim de mês ou um fim de ano, ou um fim de qualquer coisa na verdade, eu resolvo que eu preciso terminar mil coisas, para não carregar coisas incompletas para o novo momento. Na última semana de 2016, existiam os três posts que eu ainda precisava fazer - O sobre o Natal, o último do ano da Lista de 101 coisas em 1001 dias e a retrospectiva - e também existiam metas de séries, filmes, livros e entre outros (como separar roupas para doar e arrumar meu quarto). Como a minha meta original de ler 41 livros era completamente impossível, eu tinha estabelecido uma nova meta de ler o mesmo número de livros em 2016 que de Palavras da Semana em 2016 (25), o que significa que eu precisava ler 6 livros em dezembro. Claro que eu me enrolei e na última semana, precisava ler 5 livros. É, de jeito nenhum que isso ia acontecer. Então eu resolvi só terminar o livro que estava lendo e ler um livro de poesia que eu enrolo para ler há 9 anos. Outra meta era terminar a terceira temporada de Doctor Who (da qual eu só tinha visto um episódio) antes do dia em que faria um ano que eu tinha começado a série (dia 30). Meu notebook ter parado de carregar de novo no dia 23 (meu notebook foi para o conserto seis vezes ano passado, SEIS VEZES) não ajudou em nada com isso e eu não pude começar a ver os episódios quando queria. E ainda tinha a meta de 50 filmes em 2016. Originalmente a meta era só "ver mais filmes", mas como eu estava chegando a 600 filmes no Filmow e estava relativamente perto de 50 filmes vistos em 2016, eu resolvi tentar os dois até o fim do ano. Outra coisa que não funcionou. (Inclusive, eu não tenho certeza se cumpri a meta original de ver mais filmes. Porque eu vi mais filmes do que vi em 2015 e vi vários que eu queria ver há anos, mas eu queria ter visto muito mais filmes, então não sei dizer se fui bem ou não. Tentemos de novo em 2017.). A questão é que eu me atolei de coisas para terminar na última semana do ano e ainda enrolei até a última hora. Por isso, na madrugada do dia 29 eu falei sobre como ainda precisava "escrever 3 posts, terminar de ler 2 livros, assistir 6 filmes e 10 episódios de Doctor Who" até o ano acabar. No dia 30, eu desisti dos filmes e das séries. No dia 31, eu ainda queria terminar o livro que estava lendo, mas como algo que eu estava esperando acontecer desde o começo do livro aconteceu, eu sabia que não conseguiria ler as 100 páginas que ainda faltavam, então essa meta também foi para o inferno. Assim, depois de algumas horas do último dia do ano, a única coisa que restava fazer era terminar de escrever o post da retrospectiva. E terminar de arrumar meu guarda-roupa, arrumar as coisas já que minha amiga vinha dormir aqui em casa, conferir se tava tudo certo para o almoço no dia seguinte.... Vocês entenderam.

Eu vi esse gif tantas vezes na timeline que até reclamei e ainda assim eu resolvi usar ele aqui. Acontece. (Desculpa, Babi)
Eu primeiro arrumei meu quarto, depois arrumei tudo que ainda precisava e fui ao post escrever. Horas se passaram, minha amiga chegou e eu ainda estava escrevendo o post. Eu escrevo a retrospectiva por dezembro inteiro para conseguir falar sobre tudo, mas sempre acaba faltando muita coisa quando o último dia do ano chega. Em resumo, tudo que a gente tinha planejado fazer na virada foi mais ou menos acontecendo e eu ainda estava escrevendo o post. O plano era assistir alguma coisa, provavelmente, The Crown. Eu tava bastante distraída com o post, então acabamos optando por algo mais rápido e simples, Brooklyn Nine-Nine (que, inclusive, eu continuei vendo e já estou quase acabando a primeira temporada). Como vocês sabem, eu continuei escrevendo o post até um pouco depois das 23 horas, depois continuei assistindo a série e faltando uns dois minutos para a virada, a gente foi na garagem ver se soltariam fogos aqui perto. Soltaram e depois do ano passado, em que eu não conseguir ver nada, foi bem legal ver fogos outra vez e ainda conseguir fazer vídeos legais. Viramos com meu celular despertando ao som da minha música da sorte, Box Around The Sun outra vez. (Eu tenho uma tradição de virar o ano com uma música que eu quero que seja lema do ano seguinte. Desde 2015/2016 essa música precisa ser Box Around The Sun, porque ela é meio que sagrada para mim). Uma vez em 2017, o sentimento foi exatamente o que eu esperava: Finalmente. A gente conseguiu. Adeus, 2016. Nos erguemos das cinzas para um novo recomeço e ainda temos esperança. Mais ou menos.
Nas primeiras horas do ano então, só nos restou comer pizza e logo em seguida se preparar para dormir. Mas eu resolvi assistir o stream do ano novo na Times Square e ver a bola descer, apesar de todos os argumentos contrários. Eu tenho tentado superar Nova Iorque. A cidade, que era a principal parte do meu plano de 5 anos, precisa ficar de lado por enquanto, porque eu preciso de alguns anos para ver se a cidade e o país ainda são lugares viáveis para uma jovem latina. Ainda assim, quando o ano virou e eu me dei conta de que tinha sido o primeiro ano em quatro anos que meu primeiro tweet não era "Um ano a menos para NY!" (2014, 2015 e 2016), eu também lembrei que o último ano que eu tinha virado sem ver o stream da bola descendo na Times Square foi na virada de 2013 para 2014 (um ano bizarro na minha vida) e isso foi mais que o suficiente para me convencer a assistir a stream e chorar ao som de New York, New York como em 2016, então foi isso que eu fiz. Logo depois desse momento e de perceber que eu conheço de coração várias tradições do ano novo da Times - como a última música performada antes da virada ser Imagine e o primeiro casal a se casar no ano novo - eu fui dormir um pouco depois das duas e meia da manhã. Com o coração pleno, mas com vários sentimentos confusos.

1ª selfie de 2017. Começou com good hair day e continua apenas com good hair days. Não, sério, eu ainda não tive um bad hair day em 2017. Só por isso este ano já é melhor que o último.
Fui acordada na manhã seguinte porque eu precisava deixar minha amiga no ponto de ônibus e me arrumar para o almoço que minha avó tinha organizado. Está na Declaração Oficial de Feriados que todo feriado de dois dias de duração (que, na verdade, são apenas Natal e Ano Novo. Tem a Páscoa, mas, na verdade, a Páscoa tem três dias de duração. Por isso eu costumava dizer que é meu feriado preferido. Hoje em dia eu não tenho feriado preferido ou estação preferida, porque eu resolvi que quero ser o tipo de pessoa que celebra tudo. Eu sei, quanto mais velha, mais de Humanas eu fico.) precisa ser celebrado com um almoço no segundo dia. Ano passado, no primeiro dia do ano, teve churrasco na casa dos meus tios, este ano lasanha na casa dos meus avós. Foi coisa simples, apenas uma parte da família, mas a comida tava boa e a gente saiu de lá cedo o suficiente para ainda dar para ir no shopping tomar sorvete. O que foi meio bobo porque já que não tinha nada aberto no shopping, era melhor ter ido para uma sorveteria. Mas a gente só pensou nisso depois e deu para eu ficar babando pela câmera que eu quero na vitrine de uma loja de lá sem nenhum vendedor fazer peguntas, então valeu a pena. Depois disso o primeiro dia do ano se resumiu em tentar acalmar meu cérebro cansado e descansar, sem me preocupar com nada. Mas vocês sabem que eu virei o ano com um monte de coisas incompletas, então isso foi bem difícil.
Eu tenho uma mania extremamente competitiva de transformar tudo em meta ou em obrigação. Isso seria realmente bom, se eu fosse boa em cumprir metas. Ah, eu amo completar metas. Amo marcar x em listas de afazeres, mas o fato de que essa lista de afazeres existe não me motiva a fazer as coisas. Na verdade, tira até a graça. Eu acho que é por isso que eu tenho deixado tanta coisa se acumular nos últimos anos e eu nem estou falando de trabalho. Eu estou falando das 31 séries que eu assisto e dos 31 livros para ler na minha lista de leitura (eu não tinha percebido que o número era o mesmo AAAAAAAAAAA). Eu não consigo simplesmente aquietar minha bunda para ler ou ver uma série porque eu transformei isso em meta e obrigação. Eu acho fofo quando as pessoas assistem uma temporada de série em dois dias e ficam reclamando que não fizeram nada produtivo, porque se eu conseguisse assistir uma temporada de série em dois dias como eu fazia antigamente, eu me sentiria extremamente produtiva. Ao invés disso, como agora virou obrigação, eu não consigo me concentrar, começo a procrastinar com outras coisas e fico inquieta. No segundo dia do ano, que eu também queria tirar para descansar antes de me preparar para viajar, eu queria muito ver alguma série ou terminar o bendito livro que eu estava lendo, mas meu cérebro associava isso a cumprir meta, não a descansar e eu não conseguia. Acabou que eu não consegui fazer absolutamente nada. Eu quero ser menos assim, sabe? Eu quero assistir uma série de uma vez só porque eu gostei muito da sinopse e quero saber o que acontece, sem pensar nas outras que eu comecei. Eu quero não ficar pensando que eu estou com livro de 200 páginas na mão há mais de três semanas. No momento, eu estou evitando pegar o livro que eu estou lendo (o de poesias que eu citei lá em cima, cuja sinopse está na página Extras) quando eu não estou com vontade de ler e estou assistindo só as séries que eu quero, quando eu quero ver. Quando alguém começa a falar de uma série que eu ainda não vi ou de um livro que está na minha lista de leitura, eu preciso ignorar a conversa ou pedir para que a pessoa não fale, porque eu me sinto impaciente para fazer tudo ao mesmo tempo outra vez e acabo não fazendo nada. (Eu também preciso avisar oficialmente a todos os meus amigos que eu prefiro que ninguém fale comigo sobre livros que eu ainda não li, mas pretendo. Vários livros que eu li ano passado foram estragados pelo fato de que todo mundo ficava falando sobre como ele era maravilhoso e eu fiquei esperando mais do que ele realmente era. Esses livros normalmente eram muito bons, mas eu costumava esperar algo a mais e quando nada acontecia, ficava com uma raiva incoerente do livro e não valorizava ele pelo que ele é. No momento tem sete livros na minha lista de leitura que eu não posso ler até esquecer os comentários que fizeram sobre eles, o que pode levar décadas.). Eu preciso repetir que a meta do ano é parar de surtar e começar a fazer. E se eu não sinto vontade de começar a fazer algo, ir fazer outra coisa é muito melhor que surtar por isso.

"Eu realmente odeio tudo hoje, incluindo eu mesma." Não sei, esse gif pareceu apropriado.
Os dois dias seguintes foram passado organizando tudo para viajar. Na ideia original eu iria com minha irmã e meu pai para a capital do estado no ano novo para uma festa da família, mas o trabalho do meu pai se envolveu no meio e a gente precisou adiar a viagem por uma semana. Nós então viajaríamos para a cidade do meu pai no dia 5, para Salvador no dia 7 e voltaríamos para casa no dia 10. O problema foi que meu pai tinha me dito que a gente sairia de casa no dia 5 à noite, mas acabou mudando para o dia 5 de manhã, então nos dias 3 e 4 eu tive que correr para resolver tudo que precisava resolver antes de viajar. Uma dessas coisas era postar este post antes de viajar, para não ter que levar o notebook para a viagem. Não deu certo porque eu rodei a cidade inteirinha e ao fim do dia 4, quando eu finalmente pude sentar para escrever, eu estava exausta. Escrevi dois parágrafos e meu corpo estava pedindo arrego. Ainda me iludi de que conseguiria terminar o post de manhã, antes de viajar ou no tablet quando estivesse na cidade do meu pai, mas isso não deu certo. Eu acabei focando no que o horóscopo maravilhoso da Susan Miller disse para Peixes e tirei a viagem e mais uns dias extras para descansar. Mas para descansar MESMO sem nada para pensar. Esses dias terminaram hoje e aqui estamos com o primeiro dos três posts sobre os primeiros dias do ano.
ANTES DE IR, já que os dois próximos posts serão apenas sobre a viagem (eu não tenho uma data de quando eles sairão, mas eu tenho mais ou menos uma data de quando já quero ter postado os três e será bem rápido, prometo) (além disso, eu não sei direito como esses posts serão, porque muito dessa viagem foi um monte de sentimentos e lembranças e eu não sei se posso ou se consigo falar sobre metade deles. Quem me segue no Twitter deve ter notado. Apenas se preparem.) eu preciso fazer um resumo de novidades que aconteceram nesses dias: Meus pais (aka Mandy Lee e Etienne Bowler de MisterWives) noivaram no dia 5 e eu preciso compartilhar essa notícia porque eu sei que muita gente já deixou de acreditar no amor, mas eles são a prova viva de que um amor de comédia romântica acontece, mesmo que raramente (eu amo tanto a história deles que eu quero chorar só de pensar). Minha banda crush Bahari lançou música nova ontem, sendo os vocais do novo single do duo Grey, I Miss You. A música é maravilhosa e foi a salvação de uma playlist minha, mas o lyric vídeo não está disponível no Brasil o que tá me deixando revoltada. Além disso, a série de Desventuras em Série na Netflix é maravilhosa (assistam, mas não terminem antes de mim, por favor) (eu avisei que crio competições malucas) e eu apenas gostaria de informar que eu não tenho os livro. Em notícias não relacionadas, meu aniversário é em 35 dias. Na vida pessoal, alguns projetinhos foram se desenrolando, mas eu não posso falar sobre eles ainda, então a novidade que eu tenho é que eu comecei o ano entrando no Pinterest para encontrar um calendário de parede imprimível e encontrei um calendário lunar maravilhoso que está satisfazendo minhas necessidades de aspirante a bruxa. Eu também comecei a salvar receitas lá para cumprir o item 23 da lista de 101 coisas em 1001 dias.
Eu acho que é isso por enquanto. Me desejem sorte para conseguir falar sobre tudo que já aconteceu e que vai acontecer este mês porque eu vou precisar e muito mesmo.
G.

You May Also Like

2 comentários

  1. oi g!

    que bom que você tirou a sua viagem para descansar. ano novo sempre me deixa maluca (e o natal também), mas sinto que esse foi o primeiro ano que eu não tive que ficar overthinking sobre tudo (eu culpo a minha família não entusiasmada para feriado como eu) e eu me senti muito bem.

    sobre o que você disse sobre livros: eu também perdi muito interesse nas coisas por causa das pessoas comentando demais. um exemplo é 'the crown' que falaram tanto e endeusaram que eu não consigo mais ver - quer dizer, vou ver, mas vai demorar mais tempo acho. o pior de tudo é você querer ler/ver tal coisa, mas você já está "cansada" daquilo... é um sentimento estranho.

    AAAAH A MANDY E O ETIENNE EU VI NO INSTAGRAM SUPER FOFOS fico feliz que eles tenham sobrevivido a 2016 e que sobrevivam a todos os outros!

    já estou animada para os próximos posts!

    beijos,
    tatii alves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oooi,

      Esse fim de ano foi bem confuso pra mim. Ainda não parece que aconteceu de verdade. Se eu acordasse amanhã e fosse Natal, eu não ficaria surpresa. Mas, por outro lado, eu tô feliz por já ter passado porque eu realmente me pressionei demais mês passado.

      Nossa, descreveu perfeitamente. Eu não tenho conseguido ver, nem ler nada por causa disso. As coisas ficam saturadas sem a gente nem se envolver com elas e quando a gente vai ver/ler, acabou completamente a graça. Odeio isso.

      EU TO MUITO FELIZ AAAAAAA MA VEJO A HORA DESSE CASAMENTO!

      YAY! Tomara que você goste deles. Parece que eles estão se multiplicando ahauaha
      Beijo!

      Excluir